segunda-feira, 18 de junho de 2018

PARA ONDE A ENERGIA VAI?



Certa feita psicografando os Músicos do Espaço, um deles nos pergunta algo como: “o que você acha que é feito com a energia de um show de rock?”


Achei a pergunta linda e instigante. Passei a ficar olhando toda congregação de pessoas com esse olhar, para onde vai a energia de um clássico lotado? A energia de milhares de pessoas contra o golpe? A energia de centenas de pessoas pedindo intervenção militar? A energia do show de um artista famoso e de um cantor de churrascaria?

Para onde vai a energia de duas pessoas transando, a de um padre celebrando uma missa, a de um médium psicografando, a de um médico operando? A energia de uma mãe cozinhando e a de um professor lecionando? Para onde essa energia vai?

  
Eu faço a pergunta: para onde a energia vai? Porque a gente deseja que essa energia faça algum sentido. Desejamos que tudo não seja em vão. Esperamos e espera-se que a vibração de amor, de bondade, de beleza, de acolhimento não seja perdida no ralo profundo do desamor, da indiferença.

Em momentos pesados e densos como esses, em que muitos dos bons fraquejam e outros sucumbem. Momentos nos quais a descrença e a desesperança reinam, a gente precisa de encontrar alento, abraço, sopro divino e esse texto tenta ser um. 

Esse texto é para você que passou a última semana, o último mês, o último ano, a última vida querendo que passasse de pressa, mais rápido, o quanto antes. O peso da mão da criança arqueou o sonho, quase iludiu o buscador. A noite se fez mais profunda e demorada, mas o sol vai nascer. E com ele todos nós. Hoje é dia de descanso. Amanhã voltamos à celebração.

A música já está mais audível. Podem voltar a cantar e a dançar. O novo homem habita entre nós, dentro de nós; ele nascerá junto com o Sol.


Feche os seus olhos por um segundo, respire fundo, sentindo seu corpo presente nesse agora e depois volte a ler.
Vai, faça. Só vai demorar 20 segundos. É o suficiente.

Agora pense a energia eletromagnética, ou bioenergética como labaredas de fogo. Labaredas que podem ser esticadas como fibras óticas e percorrer distâncias infinitas levando e transportando milhares de bits de informação.

Imagine que a energia tenha ou ganhe vida própria, animação. A partir do nosso uso, da nossa intenção ela vai se desenvolvendo, se espalhando, ficando cada vez mais autônoma. Vai criando vida, movimentando espaço, fabricando tempos, construindo lugares, seres. A energia sai da animação e passa a se movimentar por si mesma. A concentração de várias pessoas, a intenção de milhares de pessoas, a vibração uníssona embora não consciente de cada um de nós, co-cria um espaço, um lugar, um tempo, uma dimensionalidade.

Em outros termos, alguém aí tem consciência do que produzimos, do que fazemos, como fazemos com nossa energia?





Provavelmente, não. Todavia ela se movimenta incessantemente para outros lugares, alimenta outras pessoas, chega a lugares que não vamos, a pessoas que não conhecemos. Recebemos também esse fluxo. Estamos imersos nesse mar, amar de ir e vir.

Muitas vezes o professor não sabe o que aconteceu com o conhecimento que ele transmitiu. O terapeuta não sabe o que ocorreu com a acolhida que teve de um partilhante. O médico não sabe o que se deu da receita que ele passou. A cozinheira não sabe do sabor na vida que deixou nas pessoas. O lixeiro não sabe da limpeza mental, emocional que promoveu na vida do outro. Não nos atentamos para essas pequenas coisas. Mas, a energia vai criando vida, vai espargindo, vai semeando em todos os níveis, em todos os lugares, em todas as camadas e dimensões.

Pudéssemos ver a viagem de um simples raio de sol, compreenderíamos a singeleza de um sorriso. Aquele raio de sol que vem atravessando o espaço, os prismas, em níveis e campos que ele não sabe e nem sonha, atinge uma gota de orvalho. 



Gota que também não sabe que fecunda e transporta luz e informação em sua composição natural. A gota alcança a rosa, que ignora a própria beleza, a inteira singeleza. Acha-se igual a todas as outras naquele roseiral. Mas, seu perfume exala poesia que atrai abelhas e beija-flores. 


E, o perfumador do ar, no seu voo, transporta para outro lugar, não apenas um pólen; ele leva o raio de luz + a gota de orvalho + a beleza da rosa + a elegância suave do seu voo. E tudo isso pode ser capturado numa fotografia, ou num poema de Cartola, ou na entrega da flor para pessoa amada. Tudo começou simultaneamente num raio de luz que já era mão apaixonada que colhe rosa para amada. 
Por aqui vemos quadro a quadro, mas há lugares que vemos tudo-junto-ao-mesmo-tempo-agora.

Ficamos tentados a acreditar que são os grandes feitos, as grandes realizações que valem a pena. Ser famoso, tornar-se celebridade, ser famosinho. Acreditamos que o destino de todos é ser sol, ser oceano, mas o Sol e o Oceano nos dizem: sou a somatória de todas as partes. Sou cada fio de luz. Sou cada vela acesa. Cada conhecimento compartilhado. 

Já o Oceano conta: sou cada suor pingado. Cada lágrima derramada. Sou cada abraço dado e por se dar. Eu sou cada pessoa abrigada, acolhida. Eu não me findo no mar, nem no amar.

Queremos ser Todo sem aceitarmos as nossas partes. Queremos ser Todo ignorando e excluindo a maioria das partes. E nessa tentativa de ser Sol, Oceano, o “Estado Sou Eu” há um grande dispêndio de energia, há muita dor e ranger de dentes. Quando ao que tudo indica, pela ótica energética, as coisas são bem mais simples. Bem mais fáceis. Basta cada filete de luz saber que é Sol em totalidade e que cada gota de água é oceano em profundidade. Basta, bastar. Basta aceitar. Basta caber sem desejo eterno de ser mais, querer mais, buscar mais, desejar mais, comprar mais... ++++++ até a multiplicação egoiga da solidão. Do eu solitário, sozinho, que não reconhece nem nos reflexos da luz, nem na superfície da água, nada além da própria imagem.

Então, mulheres lindas. Amadas amigas. Queridxs que tive o prazer de abraçar, de ouvir, de ser escutado. As vezes a ação cósmica é somente respirar e possibilitar que os filhos tragam os seus netos. As vezes não tem nenhum mundo para ser mudado, só o nosso roseiral. As vezes nem um roseiral só nosso eu Rosa. As vezes, nem rosa, apenas uma pétala. Mas, em cada parte o contentar-se com o Todo. A certeza de que os que mudam o mundo, ou as pétalas, ou a si mesmos, compõem a mesma dança e a mesma música da UNIDADE.



Assim, talvez, vocês não ficarão milionárias, nem serão famosas, não terão o sucesso do que se estipulou como Suce$$o. Talvez, compreenderão que sua energia, em consonância com outras, auxiliou a sermos diferentes, melhores. Auxiliaram no aprendizado do Planeta e na renovação de todo Planeta. Auxiliaram na fecundação e crescimento de uma biodiversidade, de uma pluralidade de ideias, conceitos, seres, espécies que germinam novas formas de vida, novas forma de convivência, novas formas e arranjos sistêmicos, complexos, entrelaçados nos quais toda a vida cabe. 

Toda gota é raio de luz. É Sol e oceano integrado. Essa fauna está entre nós.
Isso parece pouco, mas é formidável. Dar condições para que Gaia fomente, acolha, respire, polinize, geste e venha a parir e a sustentar um novo tipo de vida.

Assim, retomamos a pergunta: PARA ONDE VAI A ENERGIA?

E a resposta que nos dou, não como consolo, mas como observação, é que essa energia planta o infinito, semeia uma Nova Terra, co-cria uma nova realidade. Essa energia vai para a co-criação de um novo modelo de planeta. Vai para a sustentação energética de uma nova diversidade social, política, sexual, existencial.

Essa energia acolhe os aflitos, ajuda os desalentados. Essa energia é similar aquele homem que nos fala Martin Buber: “aquele que primeiro plantou uma árvore cujas sombras não assentaria, foi o primeiro a esperar o Messias.” Nós somos os semeadores do que virá e esse por vir já se faz presente e habita entre nós, no meio de nós, conosco.

Então, respondendo até onde posso observar, a energia tem ido para tudo o que vive, germina tudo o que deseja ser feliz e consegue alcançar a felicidade num princípio de cooperação sistêmica e integrada.

A energia vai e tem feito um novo desenho em nosso solo, em nossos ambientes, em nossas paisagens interiores e externas. A energia vai para partes nossas que há muito não íamos e agora também cultivamos com muita alegria e sabedoria. 

Semeadores da Luz, a energia vai para onde ela saiu e retorna para lugares que ela nunca esteve. A energia fica com quem a direciona cada vez mais fundo e com espectros mais amplos. A energia se condensa em ser. Eu Sou! Nós Somos! Tudo é um!

Bem vindo! As dores do parto passarão.  

Não se desesperem! Os campos estão floridos. O sol está acolhedor e a noite bela, repleta de novas estrelas, de novas luzes que não víamos antes. Agora vemos tudo melhor. Tudo mais claro.





terça-feira, 29 de maio de 2018

O EU. A ELA. US NÓS: caminhando pelo labirinto das relações.



Uma partilhante, super querida, perguntou para o seu namorado: “quando você vai me tirar desse lugar?”

A pergunta da partilhante trouxe a minha mente o universo feminino. Trouxe à baila as perguntas que nunca consegui responder, que nem sei o que estava sendo perguntado, que não tinha a menor noção do que elas estavam falando. Trouxe à baila esse desafio que é o entendimento entre homens e mulheres. É uma pergunta que dificilmente um homem vai apreender o mesmo sentido, dar a mesma importância que uma mulher consegue dar. Para nós homens há nessa pergunta um obstáculo linguístico, muitas vezes intransponível. Esse abismo é superado pela troca, pela parceria. Um entra com a disposição de avançar, outra com o fio que irá trazer o rapaz audaz de volta. De toda feita, fica a ideia de que sem um fio condutor, homens não se aventuram para dentro de si mesmos, nem para dentro de nenhuma relação.  

Já para ela e outras mulheres a pergunta tinha a clareza de quem estava no escuro, no labirinto, num áporo e que o outro estava lá com ela, junto, abraçado de conchinha. E, assim, ou justamente por isso, ela se referia ao lugar como um óbvio, um dado, que qualquer cego responderia. Para ela a pergunta era clara, distinta, obvia, notória. Ledo engano. Todo outro é singular e todo dentro é um labirinto que precisa de GPS. É um espaço que alguns navegam com grande desenvoltura, mas a maioria fica perdido.  

A reveria disso e de forma inusitada, 99% das mulheres, sem nunca tê-la visto, sem saber nada da história, ou da historicidade dela, a conseguem localizar e ofertar ajuda. Conseguem acolhe-la, como se as duas estivessem de mãos dadas no mesmo espaço. Conseguem compreender a pergunta como Teseu e seu novelo num labirinto.

Já para a maioria dos homens, aquilo era um labirinto. Um labirinto enevoado, no qual nem nós mesmos nos sabemos perdidos, ou acompanhados. Não tínhamos a menor noção do que se tratava e creio que isso se deve ao fato de muitas vezes as mulheres nos considerar Teseu, quando na verdade somos o Minotauro. Em outros termos não somos o herói que salva Ariadne, somos o touro faminto, a besta humana que devora seres desavisados. Sair desse lugar é uma travessia mais difícil para nós homens do que localizar onde vocês estão; mulheres lindas que estendem seus fios de novelo para nos trazer de volta. As mulheres modernas é sempre importante afirmar: qual é o seu novelo? Conseguir ter ciência disso pode auxiliar o parceiro em suas buscas. 



Nessa toada, eu tive que informá-la, que a gente não sabia qual lugar elas se referiam. O GPS masculino é externo, mensura cartografias das paisagens do mundo objetivo. Dificilmente nos perdemos no mundo. Geralmente, sabemos onde ir, como voltar, calculamos riscos, apontamos padrões, marcamos territórios. Conseguimos calcular, mensurar, especular, compreender a logicidade das coisas, dos feitos, dos ditos. Somos máquinas binárias que agem buscando racionalizar os desejos.

Já o GPS feminino é interno, subjetivo. Sente, capta, apreende humores, desejos, pensamentos inconfessos, vontades súbitas. Elas se localizam internamente com grande facilidade, minto, elas são tão densas, profundas, sinuosas que se perdem, se conflitam, se desencontram, porém ainda assim, a referência interna, subjetiva permanece e continua. Conseguem mapear as emoções, os sentimentos por nomes, cores, cheiros que nos escapam completamente. Conseguem traduzir nuances de amor sem confundi-lo com tesão, ou com amizade, ou com... Nós homens confundimos, na verdade, fundimos tudo. Tudo é tesão e se não é tesão a maioria de nós não sabe o nome. É uma cartografia pobre, desnutrida, que nem gosta de variações e nuances dessas ordens. Já as mulheres separam, distinguem. São lindas, mas não acessamos essa cartografia. Não sabemos que o amor tem muitos nomes, que o sexo tem várias emoções, despertam sentimentos variados. Não sabemos que vocês têm o dom de a cada parceiro perder uma virgindade diferente e algumas conseguem perder vários tipos de virgindade com um mesmo homem. Para nós a virgindade é um hímen, quando rompe acaba, depois disso, não há quase nada de novo sob o sol. Somos Minotauros, uma espécie de ogros ancestrais, que teimam em permanecer assim, saindo e entrando dos labirintos sem saber que estão perdidos, sem saber o que encontram ou a quem perdem pelo caminho. 


É preciso aclarar, que o lugar que minha partilhante linda estava dizendo é um espaço interno. O lugar que o namorado dela pensou é um lugar geográfico, externo. Nessas perguntas a gente deveria silenciar, mas elas nos instigam a falar, aí a gente responde e em nossa resposta fica aberta o hiato que nos separa. A distância que há entre esses lugares. Elas ocupam um mundo, dividem um mundo que tem certeza que estamos nele, mas quando respondemos mostramos que não. Nem temos noção das construções e espaços que coabitamos, que elas fizeram e sentem ser compartilhados. Nossas respostas espelham a solidão da relação a dois. Aquele casal de um que vemos de mãos dadas devido ao hábito, a rotina, a mesmice. Elas nos pensam Teseu e somos Minotauro. "Solidão a dois. Faz calor, depois faz frio..." Cantava o poeta. 



Inversamente, mostramos para ela nossas casas, os clubes, as conquistas que realizamos por elas, para elas. No entanto, estas conquistas não correspondem a esse espaço interno. Somos dois seres que se amam, falando a mesma coisa, mas de perspectivas diferentes, de óticas distintas, abrindo uma celeuma. Uma celeuma que se não discutida, ou se não conversada, ou se silenciada, transforma-se em cicatrizes irremediáveis. Viram dores e sequelas. É nesse lugar que se faz importante a construção do nós. E é basicamente sobre isso que o texto vai falar. ESSE TAL DO NÓS. Esse labirinto coletivo das relações, pois já não basta perdermos em nós mesmos, também precisamos nos encontrar nas relações. Nesse nós, essa construção inaudita que se faz com palavras ou silêncio, presença ou ausência. O nós ronda invisível sobre o casal, sobre as relações e as vezes abre buracos sob os pés dos mesmos e tudo desmorona, se perde. Outras vezes, ele soterra ambos com avalanches de acusações, situações inesperadas, terceiros excluídos. Outras vezes, o nós eleva o casal para um nível mais suave, menos denso, ou denso; porém juntos eles fazem ser transitável, superado, transponível. A cooperação, a compreensão de ambos os conduzem para espaços, lugares agradáveis a dois. 

Antes, de falar mais desse nós, aproveito e faço uma digressão, porque a questão apresentada, me fez recordar três perguntas que três mulheres que amei e amo me fizeram em momentos diferentes e eu nunca as respondi. Nunca soube a resposta. Uma eu nem sabia o que estava sendo dito. Tomo a coragem de responde-las nesse embalo da escrita. 

Leitoras mais apressadas podem pular para Esse Tal de Nós.


1ª Pergunta.

Minha ídola me perguntava a cada encontro, quando namorávamos, se eu estava feliz. Ela não me perguntava se eu era feliz e sim se estava, o que tornava a pergunta metafisica, transcendental, tipo: qual o sexo dos anjos? Ou, eles se reproduzem por via sexual?

Hoje quase três décadas depois, espero que ela nunca tenha se sentido culpada por eu ser, por eu não estar. Espero que nenhuma de vocês mulheres sintam-se responsáveis pela felicidade dos seus parceiros, porque isso não nos afeta dessa forma, dessa maneira. Talvez só os malditos agressores, abusadores, espancadores ocupam esse lugar de creditar a própria feclicidade ou infelicidade a mulher. Somos ou estamos felizes por nossas escolhas e ainda que não a banquemos pelo dito, o fato de estar com vocês é sinal de que estamos, ou somos felizes. Eu sei que não vale dessa forma. Vocês querem e merecem mais, e estamos preparando nossos filhos para que eles possam ser e estar numa relação felizes, sem que a mesma pese sobre as mulheres como uma culpa, a responsabilidade de uma e não de um nós.

De toda forma, nunca a respondi, mesmo porque nunca compreendi a pergunta. Hoje, mais de vinte anos, quase trinta, eu posso dizer que sim: eu estava feliz. O olhar dela alegrou meus dias e o choro dela me afligiu por vezes. Mas, fui feliz, estive feliz. Ela me ajudou a ancorar na Terra, ela me deu o Além-de-mim e a Minha Dádiva que me uniram a Gaia. Fixaram minha alma ao meu espirito e ele ao mundo, ao barro, ao pó. E as dores, aos tormentos que se sente quando se está no corpo. Sentindo somente aquilo que o corpo pode dar, por isso ele é tão virtuoso e a ponte de muitos mundos. Você foi para mim um sol.


2ª Pergunta

Essa foi feita numa Primavera. Nunca me esqueço dessa estação. Ela sempre floresce em mim, me rejuvenesce, me alegra, me eterniza. Foi uma noite, numa praça. Com ela sentado entre as minhas pernas, olhando para as luzes da cidade que teimavam em não dormir. Ou caminhávamos dando voltas na praça enquanto voltávamos ao mesmo ponto, ela me perguntou: “quando você vai me tirar desse lugar?” Rigorosamente, a mesma pergunta que minha partilhante fez ao seu namorado.   

Eu pensei que fosse da praça, mas claro que eu não era tão ogro assim. Então sabia que se tratava de algo sexual, que ela queria apimentar ainda mais a relação. Era uma súplica que eu não poderia deixar passar. Sim, nós ogros somos lamentáveis. Demorou quase cinco anos para eu compreender que lugar era esse. Qual era a Sibéria que eu a tinha colocado e como poderíamos sair de lá juntos, vestidos ou nus, abraçados ou correndo um pra cada lado, mas que eu visse que naquele desterro, sozinha, sem radinho de pilha, ela não poderia continuar, que ela doía de estar lá. Ela queria gritar nosso amor para o mundo. Ela queria brigar com o mundo e eu a protegi numa redoma: não se exponha! Não dê aos cretinos como eu, o prazer de pensar mal de você.
Hoje eu diria a ela que sim, eu a deixei no ostracismo. Não por vergonha dela, mas para protege-la. “Eu protegi teu nome por amor.” Cantava Cazuza. 

Ela saía de um casamento, ainda não tinha se dado a separação judicialmente, não queria que ela recebesse o mesmo olhar de condenação e maldição que eu lancei para ‘minha’ ex-esposa. Então o lugar que eu a coloquei foi o de proteção, cuidado, resguardo, mas quem falou que mulheres querem príncipes encantados? Da onde tiramos que mulheres reais não podem se proteger sozinhas? Que elas necessitam de um terceiro, de um outro para lhes proteger?

Quem disse que Ariadne foi para o labirinto sem vontade e por condenação só conhece um lado da história, a contada pelo herói. Nos diários de Ariadne, logo nas primeiras páginas, sem nenhum constrangimento e com um baita orgulho ela diz, textualmente:

Fui ao labirinto buscar a mim mesma. Buscar a mim mesma pelas pernas e mente de outro. Lá vi minha parte bicho, lá vi minha parte homem. Diante das duas ferocidades, descobri minha parte mulher, feminina. E essa parte minha desejou o touro que havia naquele homem e quis o homem que existia naquele touro. Mas, antes que ele me possuísse para eu ser completa, o herói o transpassou com sua espada. Mas, o herói nunca soube que a sua força vinha da mesma bestialidade. O herói ao esconder de mim sua fúria teve que me abandonar. Eu amei o herói, eu amo o herói. Mas, ele roubou o meu destino, o de ser presa pela minha própria vontade e querer. Ele roubou o meu sagrado. Apossou de uma glória que era minha. Ao me salvar, ele me deixou perdida para sempre, a não ser que ele se transforme na besta humana. A não ser que ele seja capaz de me mostrar toda a sua ferocidade e temendo meu olhar de pavor, reconhecesse a excitação do meu amor. E temendo que eu o devorasse, me fizesse sua. Eu então seria dele, completamente dele, não importaria com quantos homens eu me deitasse, com quantas batalhas eu lutasse; ele seria meu herói. Mas, ele não deu conta, me deixou para Dionísio e tudo o que escrevo aprendi no lençol do deus do vinho. O único que compreendeu que meu novelo era a saída e a descoberta dos nossos mundos. O único que aceitou ser o mais humano dos deuses, enquanto Teseu recusou ser o mais bestial dos homens.    
Isso tudo eu li no diário de Ariadne, tinha muito mais coisas, mas ninguém mais tem paciência de ler e saber dessas coisas que as moças já nascem sabendo e só ogros bobos ficam contando como se fossem novidade. 

Ia dizendo que mulheres precisam de proteção, mas na medida correta em que nossa proteção não lhes rouba a história, o protagonismo de elas serem quem são. Da mesma forma que nós homens somos.

Ela queria que eu a tirasse desse lugar. Mas, como sendo machista? Sendo mineiro? Sendo homem? Onde se aprende sobre isso? Como se aprende essa relação de igualdade senão com mulheres aprendendo e dominando outras linguagens? Nos ensinando novos idiomas e alfabetos? Nós homens necessitamos. Usem o novelo de Ariadne, conte para os seus parceiros que vocês sabem que para combater o Minotauro é preciso força, raiva e que mostrar esse lado para vocês não nos diminui. Mostre a eles que o que lhe torna herói é justamente ter essa parte bestial que ele domina, e quando escapa, você tem o novelo de lã para nos aplumar.

Mas, tudo isso para lhe dizer, anos depois, que o seu lugar está em mim, comigo, seja num sofá na lua, seja de mãos dadas na praça, seja com um beijo na alma, seja como uma transa de olhos abertos. Seu lugar sempre vai ser ao meu lado, ainda quando buscamos novos ângulos, novos arranjos e combinações. Seu lugar é o da liberdade de estar onde se sinta feliz. Entre meus braços e os Ha-braços.


3ª Pergunta


Essa amada-amiga, mulher, companheira, me perguntava sobre o nós. Ela ficou anos tentando me ensinar que existe o eu, existe o outro e existe o nós, que precisamos cuidar do nós.

Eu não sei o que é nós. Num relacionamento, eu nunca concebi um NÓS, essa construção coletiva. Isso não existia no meu horizonte. Eu via as pessoas falando, vivenciando isso, mas nunca entendi. O cara que passa todo salário para esposa. O cara que fala para mulher onde está indo e a que horas volta. O imaginar isso me paralisa. Eu não sei o que é isso, como se faz isso. Eu nem entendo por que se faz algo parecido. Não tenho esse registro.

Assim, ela me 'acusava' de não cuidar do nós, do nosso. Falava que eu fazia parceria com todo mundo, até com entidade, mas com ela, eu não conseguia. Falava do meu peixes interceptado (astrologues) e.... falava.... Mas, eu não sabia o que era isso. Para mim tinha eu e ela. Para mim tem eu e o outro. Os dois são livres para ser, fazer o que desejar. Entre dois, estabelece-se um contrato moral: seremos monogâmicos? Nossa relação é aberta! eu sou seu dono. Não temos nada um com o outro? Cada dois estabelece as regras. Posto isto, funciona como acordaram. Nunca vi nisso um nós.


Eu fiquei quase uma década tentando compreender o nós. E foi ouvindo as partilhantes que o vislumbrei. E aqui retorno o texto. Nosso Nós foi uma das coisas mais importante e bonita que me aconteceu. Os laços que nos unem, te ligam a mim, faz a ponte entre nós, onde quer que estejamos. O nós é um lugar que passei observar a partir de você. É o olhar com qual vejo e acolho os que me chegam.   



Esse tal de NÓS

A educação masculina é erigida na construção de uma centralidade. Ao se nascer com pênis, automaticamente vai se aprendendo que o universo gira entorno dos nossos desejos, das nossas vontades, do nosso querer. Toda educação dita ou não dita, ensinada diretamente, ou aprendida por exemplos é voltada para o eu, centrada no eu, voltada para o si mesmo. Lidam melhor com o mundo adulto aqueles que potencializam e expandem esse eu.

Esse eu é o ego mesmo. Epidérmico, superficial. Não é o eu de uma identidade yogue. É o eu construído para dar conta do mundo material, com valores de conquistas, superação. Um eu que se constrói como fora, cujas identificações se dão fora. Identificamos com o nosso trabalho, com o nosso time, com nossa casa, com nossas conquistas. É um eu projetado e lançado no mundo. Quanto maior melhor. O nosso eu é um pênis e a necessidade de fecundação, reprodução. Um eu/ego no qual tudo e todos giram envolta. Tudo existe para ele e por ele. Pensamos e desenhamos a existência a partir desse lugar: fecundadores do mundo.

As mulheres em sua maioria não têm esse 'eu'. Toda educação feminina é edificada na castração desse querer, no silenciamento e esvaziamento desse eu. É uma educação construída voltada para o outro. Elas se centram no outro. São educadas não para si mesmas e sim para agradar, receber, compreender, acolher o outro. Muitas passam a vida inteira sabendo das preferências e gostos de todos, menos o delas, porque o delas é o de proporcionar o prazer do outro. Claro que há um prazer e uma realização nisso, porém tem algo nesse lugar que anula a possibilidade de valorização, de re-conhecimento tanto de si mesma, quanto de outros. Creio que a frase de Sarte o "inferno é o outro" nasça da observação que o filósofo francês fez de sua amada Simone de Beauvoir. No masculino egocêntrico, egoico, típico e padrão de 90% de todo homem, não há esse lugar. Esse inferno é o lugar do feminino. Só nele encontra-se essa ocupação em agradar, em saber se está agradando, e agradando se está mesmo tudo certo, na medida correta. Se a mãe dele está gostando? O que estão achando da roupa dela? E da toalha na mesa e do papel no banheiro? Enfim... o inferno.     

Não obstante, uma mulher que busca essa centralidade tida como masculina, perde o lugar na sociedade, ela fica deslocada entre as mulheres e entre os homens. Ela não é compreendida, aceita. Como se o botão do foda-se não pudesse ser apertado por elas. Como se trazer à tona essa centralidade, esse eu no qual outros giram em volta mudasse o lugar, corrompesse, desvirtuasse toda sociedade. Independente disso, muitas tem realizado a dura e árdua tarefa de uma jornada dupla, tripla e mesmo assim não é suficiente. Continuam se cobrando e sendo cobradas, continuam sentindo-se frustradas, massacradas. Não importa se é bonita ou feia, gorda ou magra, casada ou solteira, mãe, ou sem filhos, jovem ou velha, rica ou pobre. Não importa se são bem sucedidas, há um peso sobre elas que dificulta elas permitirem-se permitir. 


As mulheres em geral têm um eu subjetivo, introspectivo. Captam e sentem o ambiente envolta, mas não projetam pra fora. Esse é um espaço um lugar social que é castrado, limitado. O acesso é difícil, nosso machismo não lhes cede espaço, não lhes dá trégua. É um massacre, especialmente, porque além disso, lhes imputamos a responsabilidade do nosso.   



Aqui penetramos o abismo das relações. Mulheres que procuram um nós. Homens que procuram um ela. 



Inúmeras vezes, nas relações, as moças, automaticamente, estão projetadas no nós. Elas saltam para o nós sem passar, mapear o elas, mesmo porque, o elas é o outro. Para a maioria das mulheres, a construção do nós é a coisa mais simples e fácil. De modo geral, elas observam com muita acuidade esse nós, elas cuidam com muito desvelo do relacionamento. O complicador disso é que falta o ela. Poucas mulheres têm esse ela constituído de uma forma que é re-conhecida e colocada numa posição de igualdade. 

 Por outro lado, homens não alcançam a dimensão do nosso. Ficam travados no eu. Cobrando e massacrando o eu/ela delas. Não é um massacre direto, ele é cultural, familiar, relacional. Os deveres, as obrigações da casa, da família, da relação são delas. E isso não precisa ser dito. São elas que devem ceder, que devem adaptar, que devem se submeter para que o outro seja e a relação perdure, permaneça. Há um fastio, um cansaço nisso. Nossas avos ficaram nessas relações por décadas, até que a morte os separassem. Nossas mães buscaram um equilíbrio nessa balança, separaram quando o prato ficou muito desigual. Minha geração e as da minha filha não dão mais do que três avisos sobre esse desiquilíbrio. Elas não estão com receio de partir, sair e buscar uma nova relação, ainda que nos amem. Inúmeras relações tem terminado não por falta de amor, mas de equilíbrio. No entanto, essa ação não as apazígua, elas continuam carregando um peso, uma culpa, uma inadequação.     


Outra questão igualmente inglória é que as mulheres que tem a si mesmas, que tem ela, assustam e amedrontam a nós homens. Em grande parte, não estamos preparados para essa relação de igualdade. Para a relação na qual seja necessário lidar com um querer que não é o próprio. Não estamos preparados para uma dimensão compartilhada, pensada conjuntamente. Sabemos lidar com o eu, com o ela, mas há dificuldade de se pensar o nosso. E isso é maravilhoso e tento dar um exemplo.

O pensamento feminino é inclusivo. Busca-se o melhor encaixe e o bem estar de todos, para todos. O pensamento masculino é exclusivista, estando bom para mim, está ótimo. Não há cuidado. Há contrato, que tenta uma justa medida entre dois quereres selvagens. No feminino há um acolhimento. Quando um partilhante não pode vir, ele me manda um zap dizendo: "hoje não vai rolar. Depois a gente conversa!" Esse depois as vezes nunca chega e está tudo certo. As vezes surge um imprevisto e para os caras eu digo: "vou atrasar! Ou, essa semana precisarei desmarcar!"Isso é natural. Está tudo certo. 

Com elas isso é impossível. O ato não pode ser unilateral. Tem que ser discutido, debatido, encontrado o melhor para ambos. É praticamente uma partilha discutindo como podemos encontrar outro dia, outro horário. É lindo! Muito diferente da marcação do eu. Eu não posso, você se resolve aí. Com elas há uma ocupação, uma busca, as vezes um sofrimento para fazer dar certo. E isso é em todas as relações. Elas criam uma cumplicidade maravilhosa e agem assim até que larguem, deixem, se decepcionem. Aí acabou a relação. 


Agora podemos voltar a pergunta: “quando você vai me tirar desse lugar?”

Talvez a saída seja conjunta, dupla. Sair desse lugar começa pelo reconhecimento de que habitamos universos distintos, lugares diferentes. Nos aproximamos, nos unimos, mas ainda assim, cada um vive num universo intimo. Sem senhas, sem novelos de lã, o outro é indecifrável. Por outro lado, a questão não é ir a lugares, homens são exploradores, adoram fendas e mistérios. Mas, a maioria dos homens estão perdidos e solitários num desses buracos que eles entraram e não encontraram saída. Numa dessas relações nas quais acabou perdido num labirinto. Acreditem, entrar é sempre mais fácil que sair, retornar, entrar novamente e percorrer esse mundo subjetivo do outro como uma parte sua, um solo sagrado. 

É importante que a gente comece a desvelar a linguagem do outro, sentindo o mesmo desejo que degustamos a língua, o toque, as caricias. Compreender o universo emocional é tão cativante e exploratório quanto a descoberta do corpo físico. Exige atenção, trato, amor, comodidade. Exige fantasia, partilha, carinho. Exige tradução. 



Assim, é incrível como que uma mulher compreende essa pergunta como se elas tivessem um GPS. Como se elas estivessem no mesmo local, vendo a mesma paisagem. Nós porém estamos na outra casca da laranja, do outro lado do universo. É preciso construir uma ponte para atravessarmos e é fundamental que na construção dessa ponte elas não se decepcionem conosco. 

Tenho visto na maioria das mulheres uma capacidade sensacional de suportar os desejos dos parceiros, mas muitos de nós não damos conta de lidar com isso. Ainda acreditamos que Ariadne precisa ser salva, assim a preservamos do nosso lado bicho. E desencontrados, desconexos, o labirinto nos devora. O Minotauro toma conta de nós. As relações terminam porque o medo, o receio, não rompeu a única virgindade que não pode faltar: a da confiança. E é nela que o laço se efetiva. É sobre ela que mulheres encontram o seu lugar. E ficam nele com alegria, amor, gratidão. 

E talvez seja essa e não outra a saga de Teseu, matar o Minotauro foi fácil, ser o homem que confia seu desejo àquela que ele idolatra como casta é de fato integrar o Minotauro que existe nele. É conduzir o relacionamento para um nível no qual poucos de nós fomos. É a escrita de novos mitos, novos heróis e novas sagas.

Está na hora de cada casal escrever a sua...

Era uma vez...


sábado, 5 de maio de 2018

GASPARETTO de fantasminha camarada a homem integral.



Luis Antônio Gasparetto, voltou pra casa.

Esteve conosco por 68 anos. Suportou trabalhar com Picasso por mais de 60 anos, rsrrs. Só isso vale o céu, rsrsr. Creio eu que a média dos casamentos do mestre de Málaga não passou de 10, 12 anos.  De longe, com Gaspa foi uma das suas relações mais duradouras.
Então não há porque chorar, lamentar. Ele fumou até o último trago de ansiedade e pressa e expirou desejos de que fossemos fortes, corajosos; que fossemos além do que nos deram como horizontes.

Louco, divertido, irreverente, atrevido. Foi ao lado de Chico e Waldo Vieira o médium mais importante do final do século XX, XXI. Fez pela mediunidade brasileira coisas que demoraremos a entender, a assimilar. Primeiro despontou como um fenômeno notável. Poderia ter ficado nisso, mas quis mais e construiu um dos maiores centros espiritas da América Latina, os Caminheiros. Endeusado, admirado, rompe com tudo e cria o Espaço Vida e Consciência. Para muitos estava obsediado, não doando direitos autorais dos seus livros, propondo um movimento de mediunidade independente, fazendo talk shows, programas de rádio. Ganhando um espaço que era preenchido por ele, pelo dom dele. Valendo-se e aplicando a sua força, o seu dom e de posse desse potencial, os parceiros iam juntos. E juntos romperam barreiras e fronteiras.

Gasparetto libera a mediunidade brasileira dos centros espiritas. Liberta os médiuns dos aspectos religiosos, não que não sejam importantes, relevantes, mas ele abre mais o leque, as dimensões, as possibilidades. Pode-se ser médium, sensitivo sem que para isso seja essencial desenvolve-la num centro. Ele vai desvelando formas, técnicas para que o sensitivo perceba sua mediunidade como uma habilidade que ele deve aprender a usar em seu benefício e dos outros. Uma habilidade, uma ferramenta a ser utilizada, compreendida, estudada e a medida me que se faz isso, internamente, subjetivamente se aprimora. Esse aprimorar interno abre novos caminhos, meios, procedimentos, conquistas para os indivíduos. É uma mediunidade sem lágrimas, sem dor.

Gasparetto puxou a fila para que pudéssemos falar de médiuns independentes, de paranormais que cobram, de pessoas que fazem uso dos seus talentos e dons para auxiliar a si mesmo e o próximo, mas sem a soberba de uma caridade, de uma humildade disfarçada de orgulho e presunção. Gasparetto foi um dos primeiros médiuns espiritas a não mais alimentar economicamente, financeiramente, lideres espiritas que vivem de uma caridade que não é deles. Vivem de roubar direitos autorais de médiuns. Gaspa, Marilusa cortam isso. Criam suas editoras, suas gráficas. E isso pode parecer ruim aos incautos, mas ajuda até os infelizes que viviam dessa forma de exploração a crescerem, se mostrarem, se verem.



Essa é a força que permeia a energia de Gaspa em todas as etapas, a necessidade de se reinventar, se criar, se lapidar em busca de se tornar melhor do que se está. É um processo incessante, constante. De forma que com Gasparetto e Calunga alguns equívocos, alguns escapes, muitos deslizes, se fizeram impossíveis. Ele nos ensinou direta, ou indiretamente a não fugirmos de nós mesmos. Com ele fomos e somos convidados e obrigados a observamos a nossa dimensão subjetiva. Somos convidados a perceber o fenômeno mediúnico em correlação com nosso universo subjetivo e na confluência de ambos, ele desvelou o psíquico. Creio que poucas pessoas compreenderam no plano físico o psíquico com tanta profundidade, com tanta segurança, com tanta elegância quanto Gasparetto. Ele foi um dos poucos encarnados no século XX, XXI que viu o psíquico como veem os preto-velhos e amigos siderais. Um olhar que para dizer o mínimo e o simples, o psíquico é a força motriz do espiritual, ou o inverso, o espiritual se concretiza enquanto força motriz e fixadora no psíquico. Essa força não é um local como a mente encerrada em um aparato biológico como muitas teorias psicológicas desenvolveram.

Gaspa expandiu demais esse conceito de mente. Mente é ou pode ser inteligência coletiva. Inteligência coletivas, conscientes ou não desse aspecto conseguem modelar espaços, tempos, símbolos, memorias, lugares. Ou seja, a mente é uma dimensão e Gaspa entrava e saia dela como poucos. Localizava as pessoas em diversas camadas, níveis e conseguia retirá-las desses lugares. Gaspa fazia isso com muita elegância, como um grande artista que é, que foi, continua sendo. 



Essa relação do universo psíquico com o fenômeno mediúnico vai demorar mais 50 anos para academia levar a sério. Gaspa precisava ter uma linha de estudo, de pesquisa nas faculdades de psicologia de todo Brasil, assim como Lúcio Packter na de filosofia. Porém isso não vai acontecer, porque este escreveu em português e aquele praticamente não escreveu, não publicou. Seus ensinamentos estão em áudios, cursos que não tive paciência de fazer, mas que reconheço como brilhantes, sensacionais, inovadores e ponto de partida aos espíritos novos que estão chegando.
Igual os caras para conversarem conosco partiram de Freud, Jung, creio que para gente conversar com a geração que já está aí teremos que começar com Gaspa, Packter, Hellinger e outros.

Gaspa transcendeu a psicologia, ou melhor, concebeu uma psicologia profunda, xamanica, inspirada, integrada, na qual entidade, médium, dialogam num nível que ainda estudamos, mergulhamos parcamente. Outros censuram, recusam a ver, seja esses outros formados da área psi, ou médiuns, dirigentes, de centros espiritas, espiritualistas. Em ambos há um sistema de crença que se fecha ao novo. Em ambos os dogmas são mais fortes do que o prazer da descoberta.

Esse caminho inovador de Gaspa, sempre o levou a rupturas. Rupturas dolorosas, sofríveis para ele, mas que o amadurecia, o fortalecia, o colocava mais perto de si mesmo. Isso para dizer, que ele como todo buscador morreu várias vezes, teve várias fases, como o seu mestre, seu parceiro mais perto e dileto, Picasso. Várias fases, com diversas cores.

Certa feita o mestre de Málaga me disse algo como: “para cada amor uma cor, uma fase, uma inspiração. Isso faz com que a gente ame mais, ame melhor, aquelas que ficaram, aquelas que estão. Cada amor é uma superação. Uma re-invenção.” Foi nessa que eu inventei a fase azul, mas passado três meses uma grande amiga morreu.



Pensando nas rupturas, eu menciono com o CRP (conselho de psicologia). Depois com a união espirita, mais tarde com os kardecistas. Porém, longe de estar errado, ele estava abrindo espaço para nós que viemos depois. Nós que sendo médiuns não queremos subscrever o fenômeno numa única perspectiva e olhar. Nós que desejamos explorar essa dimensão numa perspectiva mais integrada, ampla, holística. Um olhar que passa por nós e se integra conosco, em nossa forma de fazer e estar no mundo. Se você faz psicologia, não se sente muito normal, busque um pouco do Gasparetto, creio que ele seja o que te falta para si compreender e conseguir compreender o outro.

Gaspa nos fez isso. Nos deu força, coragem. Assumindo a sua homossexualidade, quando isso era e é tabu no meio religioso. Expondo um orientador espiritual negro- Calunga. Num lugar que faz com que negros e índios sejam tidos como espíritos inferiores. Há casas kardecistas que desejam doutrinar preto-velho porque falam errado. Esse racismo não é da entidade, nem da doutrina e Gaspa, indiretamente, nos fez olhar para isso. Fez mais, deu um novo significado e uso para o “dai de graça o que de graça recebestes” e tirou a culpa de ganhar dinheiro, de ser feliz, de gozar a vida e buscar o melhor de médiuns e religioso. Ganhou dinheiro sem culpa, valendo-se da sua habilidade de compreender o universo interno das pessoas. Uma habilidade que lhe era natural, mas ele aperfeiçoou muito estudando com os melhores mestres e professores. Dispenso falar dos muitos médiuns que Gaspa auxiliou economicamente.

Para muitos, os que foram contemporâneo dele, ele é um proscrito, um maldito, uma aberração. Mas, para nós e os que virão depois de nós, ele será visto como um pioneiro. Alguém que acendeu archotes enquanto tudo estava escuro, obnubilado. Um dos que nos deu condições de chegarmos aqui e irmos além. Aquele que desvelou o fenômeno da pictografia como a co-criação de paisagens internas e dimensões coletivas. Aquele que conseguiu sair do universo do fenômeno, médium pictográfico, para homem notável, que se encontrou, se realizou em vida. Alguém que deixou de ser o fantasminha camarada, aquele amado por todos, como um prodígio, um fenômeno, que buscava agradar a todos de encarnados a desencarnados até se tornar o homem integral. Aquele que passou a se colocar em tudo o que fazia. Aquele que se fez artista de SI MESMO.


Gaspa nós te amamos!! Grato por tudo.


sexta-feira, 23 de março de 2018

TEOLOGIA DA PROSPERIDADE: a miséria espiritual.

Seria fácil falar da teologia da prosperidade numa perspectiva meramente religiosa. Gostaria de reduzi-la a esse nicho, apontar uma meia dúzia de igrejas, uma dezena de pastores e aclarar o que pretendo expor. Porém, é algo mais árduo, mais demorado, menos específico. O que pretendo denominar como Teologia da Prosperidade diz respeito a um conjunto de ensinamentos que se baseando numa concepção distorcida do sentido da gratidão, produzem sensação de fracasso, miséria moral e espiritual ao invés de dar solução. Preciso que venham comigo.

I- 


Há energia mais graciosa do que a GRAÇA? Há atributo mais abundante do que a GRATIDÃO? Eu lhes respondo, não há. Tudo que somos emana da Graça e tudo o que podemos ter e somos é fruto da Gratidão.
Esse pulsar preenche a existência. O que somos, o que podemos ser é fruto dessa relação. Posto isto a pergunta que se segue é: pode-se ensinar sobre a GRAÇA? Pode-se tornar alguém grato a Deus, à vida, ao outro? Provavelmente não, e isso é o início da miséria e das falácias que cercam essas palavras. Então, quando falamos de graça e gratidão conjuntamente estamos falando de FELICIDADE, PLENITUDE, PROSPERIDADE, RIQUEZA. Na tradição cristã há três símbolos que representam isso: Pedro, a rocha. Jesus, o Cristo. Maria de Magdala, a "amaldiçoada".

Pedro era um pescador. Era feliz dentro do seu mundo, pescando no lago de Cafarnaum. Tinha o necessário para viver. Não passava fome, tinha um teto, tinha família, possuía amigos. Pedro era rico, mais a frente vou aclarar o sentido de riqueza. Um dia, ele conhece Jesus. Este nasceu em uma manjedoura. Dele mesmo pelo que se sabe não tinha nada, talvez a carpintaria do pai em Nazaré. Mais nada. Não tinha duas túnicas, ou duas sandálias. Não tinha um travesseiro para repousar a cabeça. Não se fala dele com moedas no bolso. Dele mesmo, ele tinha o corpo, porque até a vontade ele atribuía a Deus, seu pai. 


Alguém ousa chama-lo de pobre? Alguém? Mas, economicamente ele era e isso nunca lhe importunou. Jamais foi ao templo orar pedindo dinheiro para o seu Pai que ele ensinou ser nosso também. Não se tem relatos dele organizando campanhas de doações para aumentar o tamanho dos templos. Não se tem notícias de que os que se aproximavam dele eram levados a fazer ofertas e apostas contra Deus para ele lhes honrar. Não obstante, conta-se que quando parou certa vez para ver as pessoas indo ao templo, chamou atenção para uma pobre viúva que dava parcas moedas e nos ensinou dizendo algo como: ela dá daquilo que ira lhe fazer falta, os outros tiram de onde há muito mais.” 

Sim, para o Neymar dar cem mil reais é muito, mas é pouco. Um assalariado dar 900 reais é pouco, mas é tudo. Em todo Novo Testamento a ideia de riqueza é outra. A riqueza no novo testamento não é a ostentação, a exibição pública, pelo contrário, são os atos internos, silenciosos, de completa cumplicidade entre o sujeito e Deus. Riqueza no novo testamento é o crescimento dessa relação intima com Deus sem mediadores, sem platéia. É assim que pode-se ver a passagem da viúva, é assim que pode-se ler os pedidos que Jesus fazia para que os curados não comentassem nada para ninguém. É assim que ele pode dizer: " Dai a Cesar o que é de Cesar. E em outro momento: "atire a primeira pedra quem nunca pecou." 


Em cada um desses ensinamentos, ele está ensinando sobre um tesouro onde as traças não roem. Ele está falando de uma riqueza imperceptível aos homens daquela e da nossa época. Tanto lá quanto cá compreende-se como riqueza as roupas de Salomão e os palácios que ele edificou, porém Jesus nos falava dos lírios do campo. Antes dele alguém tinha visto beleza nos lírios do campo? 

Pois bem, os adeptos da teologia da prosperidade captam a essência prospera de Jesus, mas o transforma em miserável quando constroem esse discurso de conquista, cobiça, querer, desejar, ostentar em detrimento de ser.  

Esse homem pobre, até mesmo se comparado a Pedro que tinha barco, casa, desvelou um mundo que Pedro pôde ver o seu tamanho. Pedro poderia ter morrido sem conhecer esse universo que Jesus lhe possibilitou. E ele seria sem esse conhecimento, porém quando conhece, ele ganha uma riqueza que o eleva e o posiciona como SER na melhor acepção da palavra. É sem dúvida um dos encontros mais lindos da Bíblia, porque aquele estranho de olhar doce o persuade a voltar ao mar. Segundo alguns faz mais: entra na embarcação e no alto do lago diz a Pedro: “joga as redes!” Pedro um teimoso, um orgulhoso, um vaidoso se nega e deve ter jogado com muita resistência. Talvez tenha jogado só com a intenção de provar que não havia peixes e humilhar aquele estranho atrevido que tentava lhe dar 'ordens'. 


Mas, depois de jogar a rede, depois de ter sido acolhido por aquele olhar, Pedro não seria mais o mesmo. Ele não sabia, não tinha como saber. Tirando a vez em que Krishna foi estreitar diálogo com Arjuna em pleno campo de batalha nunca mais na Terra tivera um encontro e um diálogo como aquele. Pedro, fica sem chão, sem referência quando ao arrastar a rede há centenas de peixes. Fica estarrecido quando o estranho lhe diz que ele não pescaria mais peixes e sim homens.

Pedro foi pescado, fora fisgado. Ele não sabia. Pedro podia ficar sem peixe mais uns dias, mais alguns meses. Isso fazia parte do mundo que ele habitava. Ele compreendia aquela natureza, aquele universo. Pedro conhecia aquele lago, aquele barro, aquele solo com cheiro de Mediterrâneo. Mas, o que ele tinha visto, ouvido, ele nunca ouvira falar. Aquilo que ele veio a conhecer e a ser, ele não imaginava. E como se paga isso? Como se retribui a GRAÇA? 

Pedro era apenas mais um pescador de Cafarnaum, por que ele? Por que um ser daquele tamanho, com aquela magnitude o escolhe? E, o escolhendo como ele pode retribuir? Como ele pode pagar? 

Não se tem outra possibilidade senão servindo. Pedro saiu da riqueza material para a riqueza espiritual. O pescador fisgado iria aprender a fisgar almas e quando ele acha que domina esse oficio, quando ele acha que é o especial, quando ele acha que pode ser o dono da GRAÇA, eis que Jesus, o seu amigo, o seu herói, o seu tudo, lhe olha no momento mais doloroso e angustiante da existência e lhe diz num tom que se saísse da boca de outro poderíamos pensar se tratar de raiva, mas era de alerta contra a soberba e a vaidade de Pedro, de cada um de nós: “antes que o galo cante, você ira me negar três vezes!!!”



Foi uma bomba no coração de Pedro. Ele que não era o mais esperto, nem o mais inteligente, nem o mais sensível entre os apóstolos, mas era o mais fiel. Acreditava ser o mais fiel. Ser acusado de traição, de traidor? Ele que deixara tudo para seguir o seu mestre e agora estava em Jerusalém, longe de casa, da própria vida. Doeu. Magoou, feriu. Mas, o mestre precisava alertá-lo. E quando o galo cantou e ele havia negado Jesus por três vezes, a decepção dele para com ele mesmo foi imensa, enorme. Onde um orgulhoso esconde seu fracasso? Em quem ele poderia lançar a culpa? Se não tivesse sido advertido pelo seu mestre, amigo, jamais se recuperaria. Jamais. A advertência foi a salvação psíquica dele. E, quando os dois se reencontram, Jesus lhe pergunta: “Pedro, filho de Jonas, você me ama? Apascenta as minhas ovelhas.” Ele repete a pergunta três vezes. Era fundamental ele afirmar esse amor três vezes. 
E gravado no coração, na alma, Pedro se torna o representante da Graça, o que ele liga na Terra está ligado no céu e o que ele liga no céu está ligado na Terra. Isso é PROSPERIDADE.



II- 

É estranho não reconhecermos o lado simbólico dessas representações. Mais estranho é não compreendermos o lado concreto dessas situações. E por ignorarmos isso somos confundidos, somos enganados, somos manipulados.

Para os judeus não há Messiah que não seja rei, ou seja, não há poder temporal sem poder espiritual. Por isso esperam ainda por um Messias, Jesus na concepção deles é apenas um profeta. Seria o enviado se tivesse lutado contra os romanos e garantido um poder de orgulho, ostentação e temor. Se tivesse livrado Israel do julgo romano seria o messias deles. Esse é o papel temporão, esse é o papel dos humanos que talvez coubesse a Jesus não fosse ele o Cristo. Esse é o diferencial entre os profetas, os reis, os que batizavam com água. Ele trás o fogo divino, nele o pai, ele e essa presença divina se fazem um. 


Ele se negou a fazer esse papel. Afirmou que o reino dele era de outro mundo. Tentou nos mostrar que essa luta não finda, não termina, precisamos de consciência. Uma consciência capaz de compreender que as dualidades são dois lados de uma mesma moeda. Energia.
Então, 'dinheiro é bom sim se essa é a pergunta'! Ter dinheiro e ser rico não é pecado, pelo contrário, porém isso é muito diferente de buscar a Deus para ter casa, carro, Smartfone. Transformar o evangelho nisso é de uma pobreza miserável descabível. Apenas miseráveis conseguem transformar a riqueza em teologia da prosperidade como estão fazendo. E fazem na música, no esporte, nos aconselhamentos, nos coach. Ficam ensinando a miséria e o pior é que ensinam isso roubando a riqueza das pessoas.

Pedro era rico, sempre foi. Não podia deixar de ser. Quando, ele conheceu Jesus, ele passou a ter riqueza material e espiritual. Pedro foi a lugares que nunca sonhou, esteve com pessoas que nunca imaginou que existia. Viu coisas que marcam a alma dele para o resto da existência. Mas, se Pedro estivesse no século XXI seria convencido de que era pobre. Seria convencido a achar que o universo devia alguma coisa a ele, que as pessoas devem alguma coisa a ele; por ele ser filho de Deus ele não pode aceitar a casa que ele tem, o barco que ele tinha. Ele tem que QUERER mais, DESEJAR mais, CONSEGUIR mais, porque só assim ele honra Jesus, ele honra DEUS. Pedro seria transformado em um miserável. Sentiria-se derrotado, porque as ambições dele não seriam atendidas, ou seja, ele não compreenderia que elas não são atendidas, justamente para que ele não perca o que há de divino e prospero nele. 



III
Quem promove esse discurso sabendo o que ele é, não serve a Cristo. Serve a outras forças. Percebam que Pedro melhorou a vida dele e isso é lindo. Entendam que você deve e pode melhorar a sua vida, a dos seus amigos, irmãos, pais, familiares, conhecidos. Entenda que essa melhora se faz pela GRATIDÃO e o caminho que os teóricos da prosperidade ensejam é o da provocação. Claro que funciona, óbvio que dá certo. Jaco lutou contra o anjo. Os dois exauridos, o anjo querendo ir embora e Jaco lhe diz: “ só te soltou quando o senhor me abençoar.” Ele recebe a benção do anjo e o mesmo dá a ele outro nome- Israel. E a vida dele muda.

Mas, você não precisa brigar com anjos todas as noites. Você não precisa desafiar os céus toda a sua existência. Basta aceitar a GRAÇA e ser GRATO. O crescimento disso não é imediato. Você não vai acordar amanhã numa mansão, a não ser que já more em uma. Porém ao longo dos dias, dos anos, sua vida vai sendo conduzida para isso, é o caminho natural. Simplesmente, um momento sua energia não cabe mais naquele ambiente, você cresceu, expandiu, igual feto na barriga da mãe; igual recém nascido que do berço vai para cama. O crescimento do universo é natural. 


É preciso muita força, muita violência, muita crueldade para que a pobreza, a feiura, triunfe, prospere e se reproduza. Elas não são naturais, pelo contrário, e agora caminho para o fim.








IV
Sabemos que há forças que fazem de tudo para que a gente enquanto humanidade não cresça, não avance. E, vocês devem imaginar, saber que há seres lindos e maravilhosos como Jesus que lutam por nós e conosco a cada instante, momento.

Conta a lenda que era preciso a gente compreender que a riqueza é divina, que Deus é rico, prospero, abundante. Precisavamos ensinar entre as pessoas, especialmente, as religiosas, que ser feliz, ser alegre, ser gostoso, fazer sexo em plenitude, gozar deliciosamente, gastar dinheiro, ter dinheiro, sentir prazer em ir a um bom restaurante, nada disso é pecado. Pelo contrário, Deus, os parceiros dele ficam altamente felizes e satisfeitos com nossa felicidade, com nossa plenitude. 

Assim, reza a lenda, que para isso acontecer, era preciso quebrar algumas dicotomias, quebrar uns paradigmas, isto é, modelos que a gente tem na cabeça, na sociedade. Sendo assim, muitas pessoas vieram com a missão de fazer isso. Estava dando certo. Os caras vieram ensinar que podemos nos apropriar das coisas e usufruirmos delas; mas qual foi a tentação, a casca de banana na qual temos derrapados, na qual transforma esse discurso de amor, de prosperidade em miséria moral, espiritual, econômica?

Antes da resposta, uma última referência, dessa vez a uma estória da mitologia grega. Gostaria que mentalmente, vocês comparassem esse rei a Pedro.

O nome do Rei é Midas. Midas era rico, tinha tudo o que o dinheiro podia comprar. Tinha filhos, esposa, mas ele desejava mais, queria mais. Por ironia do destino, Sileno estava perdido e foi levado a sua corte, onde foi muito bem tratado. Depois de quase duas semanas, Midas o leva de volta para Dionísio. Este agradecido garante a Midas o direito de fazer um pedido e o tê-lo concedido. Midas, seguindo a ambição do seu coração, o seu desejo de QUERER, CONSEGUIR, DESEJAR cada vez mais, pede para que tudo o que ele tocasse virar ouro.
Midas fica embasbacado com a sua capacidade, vai tocando os mais diversos objetos e todos vão se transformando em ouro. 

Aposto que ele deve ter organizado um banquete para mostrar a todos o seu poder, pura OSTENTAÇÃO. E, tudo caminhava bem, até que ao tentar se alimentar, os alimentos viravam ouro antes dele levar a boca. A água, o vinho tinham a mesma sorte. Até a filha que foi abraçá-lo se transformou em estátua de ouro. As pessoas foram se afastando, afinal a qualquer toque, elas perderiam a vida. Caminhando para um estado de inanição, Midas roga a Dionísio que desfaça aquele pedido, que ele possa voltar ao normal. Dionísio lhe pede para se banhar em água corrente que o dom desapareceria. Assim, ele faz e volta ao normal. Pode tocar as coisas, pode abraçar a filha. Mas, conta o mito que ele resolve largar tudo e seguir Dionísio, porém essa é outra estória, tem a ver com a Gratidão, com a retribuição, mas é outra estória. 

O legal é compreenderem como a teologia da prosperidade tem esse toque de Midas. Como que eles insistem nessa visão miserável de que transformar o mundo em ouro é riqueza. Porém no mito, riqueza é poder se banhar na água do rio, isto é, permitir o fluir da existência com suavidade, com alegria, com prazer. 


Riqueza é a de Pedro que pode pescar, sabe pescar, depois aprende a pescar almas. Não há riqueza maior. Porque quando estamos falando dela, o que a mede não é a conta bancária e sim esse estado de PLENITUDE e FELICIDADE que ela lhe garante e lhe assegura.






Claro que Pedro tinha uma dor, um vazio e foi preenchido por Jesus, por Cristo. Obvio que Midas tinha uma dor, um vazio, que num primeiro momento, ele preencheu com riquezas, depois com ouro. Mas, a vida pôde mostrar para Midas o quanto ele era MISERÁVEL e ao largar tudo e seguir Dionísio, ele encontra um sentido.


Os coaching que ensinam a vida como luta, os artistas da ostentação, os teólogos da prosperidade são todos MISERÁVEIS. E em suma, o que eles ensinam, no melhor estilo de praga dos infernos, de devoradores de almas, é a você vender a sua riqueza divina para obter a MISERABILIDADE FINANCEIRA que eles são portadores a partir da ilusão que vendem. 


“buscai o reino dos céus e tudo lhe será dado por acréscimo.” No Evangelho riqueza é aceitar o que se é.