quinta-feira, 20 de setembro de 2018

SILÊNCIO II: o orgasmo como fala. O outro como falta.




Fico ouvindo minhas partilhantes, algumas amigas, algumas namoradas falando de sexo, sexualidade, prazer, frustração, culpa... 

De forma machista, isto é, considerando o mundo a partir do nosso falo, somos levados a acreditar que na transa a mulher que gozar. Que o que elas esperam de nós é que as levemos ao orgasmo. Como se elas não pudessem chegar a isso sozinhas, ou com outra pessoa. Temos essa fixação que é mesmo muito do nosso universo masculino no qual sexo é gozar e gozo é orgasmo. Feito isso, alcançamos o sucesso. Cumprimos a meta. 

É uma mecânica do prazer bem direta, simplista, altamente satisfatória viu minhas amigas. Rsrs.   Não tem complexidade nessa elaboração.


Já às mulheres, o sexo não se resume ao orgasmo. O prazer delas começa antes e termina depois do ato sexual em si. O durante é só um processo que a gente não dá conta. Como compreender que o bom dia das seis horas da manhã, ou a falta dele, tem uma relação direta com o sexo a ser realizado, ou não, às dez da noite?


Meu amigo, isso tem relação direta. Para elas é tão claro e óbvio quanto dois mais dois são quatro. É um esquenta, um aquecimento, dado em pequenos gestos. Sinais sutis tais como a brasa de uma fogueira. Em suma, o sexo para elas não é só genital. Mexe e envolve um carinho, um cuidado, uma atenção. Mas, não é o cuidado, a atenção, o carinho pre-m-editado. Vou falar/fazer isso para ganhar aquilo. Vou dar bom dia às seis da manhã para transar às dez da noite. Há uma relação com o acumulo, com o recorrente, com uma constância e permanência. Não é a gentileza de um dia. 

Então se o sexo para elas não se reduz ao orgasmo, não é meramente algo mecânico, se reduz a que? Primeiramente, não se reduz. Tenho observado que para todas as mulheres, especialmente, as que se dizem RESOLVIDAS, que o sexo sempre é algo especial. É sempre algo a mais do que uma transa, uma trepada; mesmo quando é só isso.  

A transa mais banal para as mulheres tem componentes mágicos, íntimos de quem abriu as portas do seu universo para outro visitar. De quem seja por qual for o motivo de escolha, permitiu-se, concedeu ao outro acesso ao seu mundo, ao seu universo. Assim, já não me iludo mais, com os dizeres delas: foi só sexo. É só sexo. Parece, que biologicamente, por pior e mais decepcionante que seja, nunca será só sexo. E que bom que não seja. O sexo carrega uma entrega, que para poucos de nós homens tem. O sexo guarda um sagrado, que em nossa forma exploratória, mecânica, simplista, a banalizamos.  




Então, quando na escuta mais atenta, compreendemos que há uma dor na relação na qual o cara entrou, visitou e foi embora. Fica uma coisa aí. Algumas anestesiam e têm se anestesiado. Não sentem nem a entrada, nem a saída. Ficam nelas, com elas e fazem um uso genital  da transa, como a maioria de nós (homens) fazemos. Aquele relaxamento gostoso que a ejaculação proporciona. Isso satisfaz algumas, pelo menos a curto prazo e numa dimensão mais epidérmica. Quando adentramos em camadas mais profundas, o emocional, por exemplo, há uma falta. E nessa falta uma queixa, uma angústia. Um espaço no qual a busca não é pelo gozo e sim pelo outro. Ou melhor, é esse encontro com o outro que plenifica o orgasmo. 

Torna-se bonito ver mulheres encontrando esse prazer no sair com as amigas, na ida ao teatro, na ida ao campo de futebol. É belo observar que os espaços de gozo, prazer delas tem se ampliado. Mesmo com uma identificação confusa em algumas que levam esse espaço para a mesma banalização que muitos homens. A ejaculação mecânica, que por vezes até prescinde do outro. O que Reich chamava de "masturbação vaginal".   

Que fique claro, não falo dessas mulheres. Estas tem se resolvido a sua maneira, ou seja, tem se dilacerado sem perceber, porque desativaram o corpo emocional. Nós homens fazemos isso há milhares de anos. Por isso é tão fácil, tão simples e tão mecânico algumas relações. Porém pelo que tenho observado, a desativação do corpo emocional, amplia feridas, dores, que poderiam estar remediadas. 

Busco então, falar com o outro polo dessa mesma vibração, na qual encontramos milhares de mulheres que mesmo com vontade, com necessidade fisiológica de transar, não conseguem fazer sexo por sexo. E, nisso há culpa e frustração. Falo das que estão casadas e os caras as silenciam durante todo o dia, toda a semana e na noite da folhinha, querem sexo. E, reclamam da entrega e do desempenho delas. Aumentando o vazio, a falta de uma cumplicidade. 


Falo das que estão solteiras e por terem saído de um casamento de muitos anos, ter conhecido o cara certo na hora errada, hoje tem receio de voltar para esse cara, de ver se ainda tem química. Acredito que ele esteja te 'esperando'. 

Falo para outras que estão vivenciando o celibato forçado por questão de raça. As preteridas por serem negras. Preteridas pelos homens brancos e também por nós homens pretos. Falo para as que sendo extremamente gostosas, foram convencidas de que sem um corpo tipo modelo exportação, elas não tem chance. E, assim se destroem internamente buscando um padrão inatingível, ou buscando se esculpir fazendo dietas intermináveis, cirurgias irremediáveis. Desejando ser aceita. Falo para as que se sentem velhas. Falo para tantas outras que não sei mapear. Falo para essas nas quais localizamos dor, amargura, e uma armadura. 


Para a maioria delas o sexo não se reduz ao ORGASMO e sim ao cuidado, a gentileza, a atenção. E, na cama, no ato sexual em si, o que elas desejam é o SILÊNCIO.

Não há nada mais erótico, sedutor para a maioria das mulheres, do que serem ouvidas, escutadas e ao mesmo tempo, quando isso resulta em ato sexual, encontrar alguém que as silencie. Alguém que numa transa por amor, por dinheiro, por pegação, por... consiga conduzi-la para um espaço no qual ela se escute. Ou melhor, nem ela mesma se escute.

É um lugar no qual toda agitação, toda falação se equaliza com o ato sexual. É o ponto certo. É o acertar a veia. Isso é raro de acontecer. Por vezes não envolve amor, nem técnica. É um encaixe, um ajuste que dois conseguem ter e encontrar. Isso é especial. 

Tão especial e mágico que suscita o silêncio. Um vazio que a preenche, a arruma. Similar a um closet que está organizado sem que ela faça nada, apenas fique lá. E as roupas fazem combinações perfeitas sem que ela precise montar. As peças se auto combinam da roupa intima até os sapatos, passando pelos óculos, a bolsa, a cor do esmalte, batom. Tudo se adéqua e se conforma sem esforço, sem pedido, sem luta, sem cobrança.

Quando a maioria delas falam dessa boa transa, elas falam que chegaram nesse closet. Nesse silêncio. Nesse lugar.

Nós homens nos silenciamos com maior facilidade, mesmo pq temos o falo para silenciar os outros a nossa volta. O silêncio para grande parte de nós não é uma questão. Nós homens conseguimos um alto nível de relaxamento vendo um jogo de futebol, com uma cerveja na mão. Podemos aumentar esse nível de relaxamento nos masturbando ou transando. Alcançamos esse nível sem muita complexidade.

Já a maioria das mulheres tem vozes na cabeça que falam com elas o tempo inteiro. Vozes imemoriais. Juro para vocês que muitas moças escutam Adão e Eva como você está escutando sua voz interna lendo esse post. Escuta de travar no lençol, lembrar da mãe e imaginá-la sabendo que ela está transando. Isso independe da idade. Vai dos 13 aos 91 anos. Tem vozes que acompanham as moças por toda a vida. Essas vozes as cerceiam, mas elas ainda escapam.

No entanto, há as vozes dos maridos, dos filhos, dos chefes, dos funcionários, das amigas, dos inimigos, dos pais, dos amigos do marido. Há vozes demais. E, para completar nós queremos transar com elas para elas gozarem, pq assim, segundo o que acreditamos, elas vão relaxar!

De modo geral, aumentamos a pressão.

Finalizando, elas me contam que a transa mágica não foi a que o cara fez o kama sutra em duas horas. Ou o cara que conseguiu seis seguidas sem parar. Elas falam que foi o cara que as silenciou.

Não é o silenciamento do cala a boca. 

É o silenciamento de estar com alguém e o pensamento não flutuou para outro lugar senão lá. O cara encontrou um ponto, um lugar no qual ela estava presente, inteira. Ela conseguia ser ela. Um ela que por vezes, ela desconhecia, mas achava fascinante e incontrolável. Por isso, magicamente, excitante. Ser e não ser ela, mas sobretudo, não se repreender, se controlar, se cercear. 


Então, se vc é marido, namorado, amante (esses fazem isso com mais naturalidade), comece transado com a sua esposa no café da manhã. No bom dia, na ajuda das tarefas, na escuta do que está acontecendo com ela no trabalho e com seu filho na escola. Pode parecer loucura, mas isso é excitante.

Se o seu colega de trabalho, seu amigo estiver reclamando da vida sexual dele, ajude a sua companheira de trabalho a não ser assediada, física, moralmente. Não a assedie. Quando, ela disser não para sua cantada não a chame de puta, vaca, piranha ou vagabunda; você vai estar contribuindo demais para a melhora da vida sexual do seu amigo.

Se você é filho, filha, não deixe que ela fale com você mil vezes a mesma coisa toda semana. Se ela for a sua professora, não pense que ela é a sua mãe. Só as mães amam incondicionalmente.

Finalmente, não vote no coiso. Você não pode transferir para terceiro a sua impotência. Ou até pode, mas o melhor seria, se perguntar e perguntar a sua companheira: como podemos ser mais felizes?

Essa pergunta, para elas já é uma forma de orgasmo. Poucos prazeres são maiores para muitas mulheres, do que o de se sentir compreendida, agradecida no seu cuidado e dedicação.

Bora, buscar o silêncio conjunto sem precisar de silenciarmos negros, negras, homo, bi, trans, mulheres, gordos, gordas, estrangeiros.



domingo, 26 de agosto de 2018

LEITURA ENERGÉTICA: refinando o como é para você.




Este post aborda várias coisas distintas e complementares. Eu o estou escrevendo há três meses, mas não o envio. Sempre falta alguma coisa. Ele fala desse momento mágico, singular, no qual entramos em contato pela 1ª vez com o outro que te procura e complementarmente fala também do primeiro acesso a esse mundo mágico que é o outro. Abordamos também, o que se passa enquanto estamos realizando a aplicação da energia, fazendo utilização da técnica energética, que fomos instruídos e treinados. Essa fala guarda o lugar de dúvidas, questionamentos, observações, receios, que vão se desenhando a cada percepção. E é nesse lugar que fazemos o CURSO DE SENSITIVIDADE, levando as pessoas a se perceberem e ao mesmo tempo perceberem como percebem o outro.

Muitas pessoas buscam compreender e lidar com esse fenômeno pelo viés acadêmico, bibliográfico, que de fato é bom, no entanto, não toca, não chega a questão central: COMO É PARA VOCÊ!? Pois é a partir dessa centralidade que se abre as possibilidades de diálogo, de troca, de segurança. Uma segurança não de que está certo, mas de que esta refinando, chegando mais perto da sua forma de ver, sentir, captar, compreender a si mesmo e ao outro.


E esse é um processo meditativo. Um transe que se refere a direcionar a sua atenção para uma prática, uma técnica e ao mesmo tempo está aberto e receptivo para assimilar, acomodar, receber, acolher as informações que lhe chegam. Para alguns chega pela tela mental, para outros pelas mãos, ou cheiro, ou... Isso não é bibliográfico, não tem como ser, não pode ser. Isso só se aprende quando se tem a disposição de se ver, se perceber, se olhar e dialogar com as muitas vozes que falam por todo o processo. Vozes da técnica, vozes internas, vozes externas de curiosos, vozes externas de amparadores, vozes do buscador a sua frente, vozes das pedras utilizadas e as vezes das que não foram, vozes dos músculos, da respiração, sua e/ou da buscadora; vozes moleculares, genéticas, ancestrais. Tudo isso fala, tudo isso diz, tudo isso está lá naquele momento da concentração, da atenção e é importante identificar qual é a SUA VOZ. Porque sem saber qual é a sua, qual é o seu centro, todas as outras lhe confundem, lhe perturbam, lhe desorientam.


O primeiro caminho para a LEITURA ENERGÉTICA é o silêncio. E, quando falamos de silêncio estamos falando de re-conhecer a sua voz, na verdade, as suas vozes. O médium, o sensitivo, a terapeuta que não as conhece mistura a voz da entidade a dele, avança sobre os silêncios dos outros e isso é uma invasão, uma intromissão, chega perto do abuso e nós médiuns cometemos muitas vezes, até com o consentimento de algumas pessoas encantadas, desavisadas, curiosas.
Então, eu falo um pouco desse processo na perspectiva que fazemos quando damos o Curso de Sensitividade, isto é, para quem vai aprender a lidar consigo mesma ou que já lida com o outro e não sabe ao certo.




Outro aspecto das coisas distintas e complementares é que tenho escrito pouco, quase nada sobre os atendimentos, porque acontecem duas coisas fantásticas, mas ao mesmo tempo desfocadas, a saber: 1- as pessoas têm certeza de que estou falando delxs. 2- As pessoas se identificam com a personagem abordada. Pessoas que por vezes tem uma matriz energética, uma historicidade bem diversa a apresentada, pelo menos é isso que eu pensava, tem certeza de que o escrito foi sobre elas. Geralmente, quando é, eu envio antes para a pessoa para ela ler, analisar, pontuar. Todavia, há uma sobreposição de vozes e consequentemente uma identificação, que se notabiliza por duas formas, não necessariamente, complementares. Umas com certo orgulho por terem sido retratadas, outras com muita desconfiança e ressentimento por ter sido expostas. Nos dois casos, em quase a totalidade das vezes, não me referia a nenhuma delxs diretamente.

Pois bem, tudo isso me levou a ter a cautela de não escrever sobre os atendimentos, nem os comentar, porém uns são muito belos. E a beleza deles está no fato de serem emblemáticos. São atendimentos que descortinam dezenas de outros. 
Dão respostas e esclarecimentos a pontos obscuros de nossa percepção. Dialogam de uma maneira tão singela e bonita com tantas pessoas que parece que a escrita permite isso, que aquela moça que não falava dela, se veja e se reconheça como tendo sido ela mesma de quem estou falando. E, aqui escrevendo, tenho que dizer que elas têm razão. É delas mesmas que eu falava. A identificação é correta. Similar a um novelo todo embaraçado, emaranhado, mas que de repente, quando não era esperado, alguém te dá um ponto que ao ser puxado tudo desembola. O emaranhado, enroscado e engastado constrói figuras geométricas intricadas e que se entrelaçam configurando figuras lindíssimas, belíssimas. E, não posso ter dúvidas em afirmar que cada uma delas é um ponto dessas estruturas.

De modo que o que vou contar aqui refere-se a um atendimento assim. Um atendimento que realizei há uns 3 meses atrás e explora os dois lados opostos e complementares que comecei afirmando: a 1ª vez que nos vemos, a singularidade de adentar o mundo interno, energético, privado de outra pessoa. Aproveito para descortinar um pouco desse eu interno que aplica a técnica, enquanto uma outra parte desse mesmo eu a percebe, para que num terceiro momento, a gente consiga transformar isso em uma linguagem, em um texto inteligível ao outro e para o outro.


Iniciando:


Ontem (3 meses atrás) atendi mais uma linda mulher. Nesses atendimentos “às cegas”, a gente depende muito da outra pessoa. Se ela se tranca, se ela não se conhece, se ela simplesmente negar o que estamos percebendo, o atendimento perde a força, o sentido, porque o que a gente vê não pode ser interpretado por nós, pelo observador. Como uma câmera fotográfica que faz alguns registros. A câmera não deve interpretar as imagens. Por mais convidativo que seja, por mais salutar que pareça. É fundamental manter-se na posição de lente. Isenta, neutra.

Isso tudo, porque o sentido, o significado se é que tem algum, é dado pela vida do outro. É elx e apenas elx que pode dar sentido ao que você observou. Nesse momento, é só isso que você tem a fazer e pode fazer. Claro que há outras vozes no processo dizendo mais coisas, porém a gente aumenta a precisão a medida em que nos aproximamos da imagem original.

É importante compreender que a imagem original não é passível de ser compartilhada. O ideal seria já termos os dispositivos que fazemos uso no astral de conectar um sensor ótico na região das têmporas e assim projetar o que estamos vendo para que a pessoa VISSE em tempo real. VISSE, porque esse ver é um sentir, um tocar, um cheirar, um respirar. Essa imagem é uma tela de plasma real que você atravessa e sabe tudo o que está lá. Sabe todas as sensações, todos os pensamentos, sabe. Esse seria o ideal, mas ainda não temos esse recurso. Alguns sensitivos desenham e precisam desenhar mais, porque seria uma tradução mais próxima desse universo. Eu só tenho a mal dita linguagem e com ela tento recuperar a imagem, que transcende e supera a grafia. Deveríamos fazer poemas. Mas, os poemas assim como os koans servem para direcionar as pessoas a esse estado de VER e o meu desejo egoico é o de compartilhar com ela esses estados primários e construirmos de forma dialógica um entendimento desse universo singular que adentrei pela 1ª vez.

Então para isso dar certo precisamos estabelecer uma troca de confiança na qual eu não confabulo e o outro interpreta. E quanto maior o conhecimento que o outrx tem de si, mais sentido as imagens ganham. Quanto mais consciência a outrx tem de si, mais tranquilo é o diálogo. Tanto para elx assinalar que me equívoco na elaboração linguística da imagem, quanto para me detalhar com mais requintes o acerto.
Imagine que você tenha um visor a sua frente e reproduz para a pessoa o que está vendo-ouvindo-cheirando-sentindo. Muitas vezes você não sabe o que é aquilo. Se você fizer esforço por interpretar para o outro, a leitura perde o sentido. O melhor é você apenas reproduzir o visto, similar a câmera. Suponhamos que você veja algo que não faz sentido, em absoluto. Como por exemplo três pessoas dormindo no chão, mas o chão é coberto por um negócio retangular parecendo palha entrelaçada. Você ainda diz, parece desconfortável, mas está todo mundo bem, que coisa esquisita. Sinto muita felicidade. A pessoa apenas te diz depois: "que é uma tradição do lugar de onde eles vieram dormir em esteiras de palhas, trançadas como a gente trança os cabelos. Vamos fazendo esteiras, redes, enquanto os homens trabalham. Eu e meus irmãos dormíamos juntos, abraçados e as vezes até hoje na minha casa, com cama Queen eu prefiro pegar minha esteira e dormir no chão."

O diálogo só é possível porque o observador foi fiel a imagem e a buscadora foi fiel a si mesma, ao seu passado. Um ou outro poderiam mentir. O observador poderia dizer que via um tapete persa felpudo, ou uma cama, ou só falar do chão batido. Mas, ao falar da esteira que ele nem sabia o nome, ele toca um ponto que evoca milhares de lembranças entrelaçadas, lembranças que dialogavam com a presença daquela mulher naquela hora, naquele atendimento. Lembranças que vão dar sentido a todo atendimento.

Claro que essa reprodução não é neutra. Porque ela depende de quem vê e de como a gente lê o mundo. Então, quanto mais próximo da ‘imagem original’ ficarmos melhor. É o peteco quando o observador tenta interpretar a imagem original sem conhecer a pessoa. E, por mais que você pense que conheça, você não conhece e o papel da interpretação é da pessoa. Searle fala de algo similar num dos capítulos mais famosos da filosofia da mente que é o Quarto Chinês.

http://iaexpert.com.br/index.php/2017/02/14/argumento-do-quarto-chines/

Deem uma olhada. Nessa hora não importa- sensitivo, médium- é um tradutor, não deve se arrogar a ser poliglota. Cada outro é um universo com linguagem própria, com idioma peculiar e particular. A forma com que associa ideias, pensamentos, tempera com sentimentos e emoções, colore com afetos e desejos denota particularidades, sabores, singularidades únicas. Por maior e melhores que sejam os padrões, temos que evitar as padronizações. Por mais cômodos que sejam as associações, não devemos nos arvorar a pensar que sabemos o sentido antes que a buscadora configure o sentido. 



Dias atrás (4 meses) jogando Tarot para uma partilhante saiu o 8 de copas na casa 8. Falei, falei, falei e era num dos poucos momentos de interação, até ali. E ela me disse: “Sim! Estou com vontade de sumir. Tenho vontade de sumir!” A expressão dela é uma ótima definição para o 8 de copas, especialmente naquela situação e no contexto do jogo. O que pode assinalar um momento de transição, de equilíbrio em seguida, mas em alguns momentos... sumir parece ser o mais oportuno e rápido.





Mas, a moça de ontem... portava um sofrimento na alma. Tentei de tudo compreender, se era devido a separação, as magoas, nada. Fui dialogando com as imagens que tinha percebido, algumas batiam, outras não. No final, acabaram tendo sentido. Uma Gestalt se formou e tudo ficou melhor, mais claro. Comecei falando o que as pedras me contaram, rsrss. Juro que elas contam, que elas falam. Uma a uma foram me contando.

As mãos sobre os chacras me falaram também muitas coisas, sempre conta. Chamou atenção uma ferida no lado esquerdo, similar a uma lança transpassando por entre as costelas. Não conseguia saber o que era aquilo, mas foi o ponto definitivo para perceber que tinha uma dor, grande, imensa, lancinante. Uma dor que vim a perceber mais tarde ser simbólica, altamente simbólica e representava muito da energia dela. Ela uma mãe, avó, sentia as dores dos outros, tinha dificuldade em se posicionar na vida, perante os outros. Não conhecia muitas ações na vida fora da entrega, da renúncia, mas isso não era algo prazeroso. Tinha uma dor em se sentir deixada, tinha uma magoa por se trair tanto. 

Com muito jeitinho perguntei se ela tinha alguma dor naquela região do corpo e ela respondeu que não. Não soube precisar o sentido daquela imagem até momentos depois e deixei pra lá. Num determinado momento da fala dela, ela conta da cadela que morreu, parece que foi câncer. Sofreu demais a bichinha. Não me pergunte como que um ser humano pode estar identificada com a dor de uma cadela, mesmo a cadela tendo já morrido. Eu também não sabia a resposta, mas uma das vozes me mostrou a imagem de uma rosa no asfalto. Comecei a falar dessa imagem. Eu estava falando da alma dela e de diversas outras mulheres, seres altamente sensíveis. Estava falando de um processo no qual uma mulher conseguia um nível de identificação tão grande que ela absorvia também as dores de um animal. Isso entrava no campo afetivo dela, igual a cara de gozo, ou a cara de repúdio do ser que você ama nos afeta. Ela sentia essa empatia por um cachorro. Então, imagina pelos filhos, pelo marido, por outros seres? Dá para compreender como seres como esses sofrem sem saber? Como que para eles um não da filha, uma resposta atravessada do marido lhe toma e lhe invade como um tapa? 

Me lembrou o poema a Flor e a Náusea de Drummond. 



A gente não acredita. Nós nos olhamos e nos vemos como carne e osso, porém quando a gente entra na epiderme já somos diferentes. Tem muita gente diferente entre nós. Os corpos sutis deles são diferentes, as cognições sinápticas deles são diferentes, o pensar-sentir deles são diferentes. São por vezes anômalos.
Esses seres têm sido direcionado para centros espiritas, mas eles não são médiuns. Podem ser, mas não são. São sensitivos, ou simplesmente são. Possuem habilidades que lhes são inerentes, adquiridas e adaptadas ao funcionamento energético deles. As religiões, provavelmente, vão trancar esse potencial deles que não é religioso.

Mas, falo isso, porque alguns seres têm esse formato de rosa. É difícil os descrever, porque não sei desenhar, mas conheço um monte de mulheres, seres que são rosas, ou as rosas são esses seres da delicadeza disfarçados. Realizamos uma reunião que em breve disponibilizarei o áudio no qual trabalhos com AS ROSAS DO INFINITO. Esse parece ser um padrão de sensibilidade, de desenvolvimento do feminino, parece. O dessa senhora era. Ela é uma rosa que nasceu no asfalto, brotou entre nós. Tem que lidar com nossa frieza, com nossa insensibilidade, com nossa indiferença. Muitas não sabem o que fazer com esse esterco, acabam se confundindo, se identificando com esse aspecto e não percebem a beleza que possuem. É basicamente sobre isso que vamos falar abaixo e finalizarmos o texto. 




Começo falar das rosas que nascem no asfalto. Na luta desesperada dessas rosas se tornarem concreto, asfalto e pó de pinche. E o que tenho observado é que não há dor maior para alma do que negar o que ela é. Rosas são rosas, estão fadadas a isso e tentarem ser outra coisa é energeticamente desastroso. Como ogros são ogros e não podem deixar de ser diferentes. Alguns arrancam a rosa do asfalto e comem só pelo prazer de ver as pétalas despedaçando. Eles não conseguem compreender níveis de beleza senão causando dor e sofrimento. O inusitado do malabarismo existencial é que as rosas germinam dentro desses seres. Um processo de antropofagia metafísico. Aqueles seres que não conseguem ser tocados por nada, usam armaduras medievais recobertas com roupas espaciais de quem faz viagem rumo ao Sol, quando ingerem as rosas, são transformados por elas por dentro. Uma antropofagia que o Evangelho nos ensina e só fui compreender aos pés de um preto-velho. Contava o amigo que quando Jesus manda as ovelhas em direção aos lobos, ele sabe que muitas delas serão mortas, mas elas renascerão na transformação que promoverão dentro dos lobos. Estes ao comerem as ovelhas, ou se alimentarem do evangelho, ou ao entrarem em contato com a pureza, são automaticamente transformados. Esse é o mesmo processo da eucaristia. Come-se o corpo de cristo na esperança de que ele habite em nós e nos modifique. 




Porém como explicar às rosas que elas têm vivências inóspitas, duras, desérticas com a função energética de sensibilizar os ogros? Como que a gente olha para a moça abusada e fala uma coisa dessas? Como que a gente identifica uma rosa no asfalto querendo ser tigresa nas horas noturnas e explica para ela: filha! De duas uma. Ou na secura da gota de orvalho, você vai se sentir a pessoa mais desamada do universo. Ou na intensidade dos gemidos apaixonados, você será rasgada ao meio. Das duas formas, você vai estar vazia antes da companhia ir embora. Deixa isso para sua amiga, ela é mesmo devoradora de homens, de mulheres, de corações. Ela se alimenta de sentir corações pulsantes entre seus dentes. Ela gosta desse gosto de poder dar a mordida fatal quando quiser, igual o polegar do imperador que se movimenta para cima, ou para baixo. Ela é uma tigresa.


Rosas não são assim. Rosas amam. Sentem-se atraídas por todo tipo de estrume e são colocadas em lugares desérticos, áridos. Isso as leva a se identificar com as mazelas. É uma loucura. Sabe a prostituta virgem? O dependente químico sóbrio? A pessoa ‘errada’, geralmente são rosas identificadas com o estrume e não com as pétalas.

Enfim, Rosas não podem ser construções robustas, firmes. Esses mecanismos de defesas arrebenta a pessoa: tromboses, artrites, pressão imensa nos membros inferiores, dores nos joelhos, rupturas de tendões. As rosas não podem deixar de ser rosas. Essa resistência a aceitar quem elas são, as arrebenta de todas as formas que podemos pensar.

Nesse mês de julho faremos um encontro com elas. Mulheres que sofrem, que amam dores que não são delas. Vou apenas as reunir. Não vou falar nada. Torcer para que se olhem, se abracem. Se cheirem. Saibam que ainda que distantes existe um roseiral. Elas estão entre nós e embelezam a nossa vida, mesmo quando soterradas por estrume.
É dever das rosas, imperativo, embelezar. Não podem outras coisas. Por isso a beleza, a esteticidade não pode faltar.





quarta-feira, 1 de agosto de 2018

RODA ARCO ÍRIS: caminhando na luz.


Temos vivenciados momentos difíceis, inéditos. São acontecimentos que a maioria de nós nunca presenciou fisicamente no planeta Terra. Há um ineditismo em muitos dos acontecimentos que estamos envolvidos e nisso entramos no que os existencialistas chamam de ABSURDO. Uma situação singular, única, na qual não temos referencias passadas para avaliarmos, nos servir de base, experiência, referencia. Temos somente o facto a nossa frente, com sua bocarra imensa querendo nos devorar e suas presas nos abater. Sua vontade de exterminar tudo o que germina, tudo o que floresce, tudo o que louva e mobiliza uma gratidão por ser. Assim, diante do absurdo devemos dar, encontrar um sentido. Sentido que não é dado por terceiros, por algo fora de nós. O sentido, o significado é nosso. É dado por cada um, porque diante da finitude, sou eu que respondo perante todos.


Até então, as saídas para esses momentos eram individuais. Eu corro mais rápido, EU pulo mais alto, EU grito mais forte, EU vejo uma saída com mais agilidade, EU encontro uma solução. EU me empodero e transformo a minha realidade. No momento atual estamos nessa transição de que o EU não basta, não cabe, não resolve. O EU esbarra num muro alto, por vezes intransponível. Muitos querem ver nesse obstáculo uma obra criada e construída pelo Senhor Deus para impedir a prosperidade, o triunfo, a realização pessoal. Um obstáculo a ser removido mediante jejum, trombetas e orações.

Nem sempre. Muitas vezes esse muro é o chamado para a edificação coletiva, plural. Um chamado para a compreensão de uma nova mentalidade na qual o ganho é coletivo, a abundância é plural, os dissabores são distribuídos também entre todos. De modo que, uma força coletiva ganha vulto, expressão. Minhas ações, meus pensamentos, meu ser, meu grito, meu silêncio, minha culpa, minha magoa, minha dor, minha emancipação, minha liberação e libertação esbarram no grupo, no coletivo. Esse coletivo vai se tornando um ser, um ente, alimentado por cada um, construção coletiva de cada um e começa a afetar os membros. Vai se construindo uma unidade, uma coesão, um organismo vivo sendo gestado, gerado, parido. Há dores, há hiatos, há lacunas, há êxtases, há felicidades súbitas, há ranger de dentes lancinantes. Tudo pedindo para que consigamos assimilar o movimento entre o individual e o coletivo. Nos grupos de cunho energético isso é muito mais claro, em outros um pouco menos, mas vale a observação de como que de repente, sonhos, inspirações, cosmovisões, ataques vão afetando um a um e todos. Como que o individual expande até um determinando ponto e não avança mais. Como que o coletivo vai ganhando movimentos e dinâmicas espontâneas, naturais, uma existência própria. Como que uma análise do grupo permite identificar o que está passando com os indivíduos e vice-versa.   




Quando pensávamos a era de aquário em oposição a de peixes, uma das ênfases, era a insistência de que terminava a dimensão de rebanho, cardume (peixes) para a efetivação das lideranças e do individualismo. Sem dúvida que há esse movimento, porém há um outro, que é a visão social, coletiva, fraterna, irmanada, de aquário. Sabe os ideais da revolução Francesa? Igualdade, Liberdade, Fraternidade são mais ou menos esses insígnios que recaem sobre nós. Em outros termos, vivenciamos uma individualidade coletiva, plural. Como se do cardume, do rebanho despertasse uma consciência de se compreender peixe, de se entender ovelha e ir tomando ciência desse movimento conjunto, desse corpo plural. Como se numa epifania cada órgão se descobrisse membro de um corpo, aquela visão de ‘totalidade’ fosse alcançada a partir da especificidade de que sou uma parte singular que precisa atenção, exerce uma função. Função esta que não é melhor do que outra, ou pior do que outra. Não nos torna melhor do que ninguém, nem pior do que ninguém, pelo contrário, nos torna iguais, diferentemente, iguais. Fernando Pessoa no seu heterônimo Alberto Caeiro descreve isso como sendo uma criança que ao nascer descobrisse que nasceras de veras. Poderíamos pensar também em uma célula que desperta em meio a um organismo se compreendendo parte de algo maior, mesmo assim, possuidor de uma individualidade.

Na verdade, a visão que melhor cabe é a da orquestra, a da sinfonia. Cada qual com seu instrumento, apto a realizar o seu movimento. Todos são importantes, todos ocupam um lugar que sem eles ainda há música, mas com a participação de cada um, a beleza amplia, expande. De modo que em todos esses movimentos estamos ativando um conceito que nunca nos permeou, RESPONSABILIDADE. 


Anteriormente, chamava-se ovelha desgarrada quem tinha consciência de ser diferente do rebanho. Acreditava-se nessa fase (e alguns ainda acreditam) numa identificação estranha, de que ovelhas brancas e cordeiras não eram ovelhas e sim pastores. Que elas por serem mais alvas e mais ordeiras deveriam andar adiante e todas as outras a seguirem. Porém isso tem se esfacelado, fragmentado. Não há nenhum grande rebanho, nenhum grande cardume, mas há múltiplas associações. Em cada uma delas explora-se e vivenciasse multiplicidades, verdades, crenças e valores muito especiais, muito caro a cada um. Em poucas delas os indivíduos podem entrar, se deixar guiar de olhos fechados, caso dê tudo errado depois de bater panela, afirmar que estava seguindo ordens e voltar a dormir tranquilo, imputando a uma liderança a sua sorte e o seu destino. Não, a responsabilidade coletiva vai aumentando, ampliando. O nazismo é responsabilidade de todos, a opressão também. Nenhum ser social pode se eximir dela enquanto individuo, nem a carregar como um fardo como se fosse uma culpa de Ahasverus. Viver de Machado de Assis

Cada vez mais forma-se grupos, coletivos e o EU enquanto está nele sente-se responsável pelos seus rumos, suas ações. A ovelha líder não é mais vista como sendo o pastor, que com sua voz e seu cajado conduz as demais. Pelo contrário, todas se reconhecem ovelhas, todas conseguem ouvir e seguir o pastor e estamos aprendendo a receber em nosso meio as ovelhas desgarradas. Cada uma olha para si e se reconhece diferente e essa diversidade é a chave de composição da totalidade, dessa malha coletiva que vai se desenhando e se estruturando, silenciosamente.


E, por falar em malhas, por pensar em malhas, colchas cristalinas, retalhos existenciais, costuras metafísicas entro no ponto que é determinante. Há uma querela intensa nesse momento entre duas forças. Tento as nomear, mas não consigo de forma purista como seria mais fácil e didático- a nova e a velha energia, por exemplo. Muitos se enganam em ver em todas crianças seres novos e em todos os velhos seres absolutamente velhos. Há crianças que são dinossáuricas e há velhos que são cristalinos como um quartzo. Há partidos políticos e conceitos econômicos criados amanha que são medievais ( no pior obscurantismo do termo) e há conceitos e partidos da idade média que são absolutamente novos. Então, pensando nas duas forças, queria dizer que há o bem e o mal, mas até nisso nos engamos quando aprisionados na carne. Há ações que vemos como sendo malignas que estão repletas de amor e luz, similar a empurrar uma vaquinha no abismo, como nos conta a anedota. E há ações aparentemente bondosas, repleta de perversidade. Definitivamente, afora a suavidade, a leveza e a amorosidade, não temos como saber.


Fato que essas forças disputam espaço. Enquanto uma luta, agride, emperra empreendimentos, agride pessoas, dificulta cosmovisões. Outra, nos pede: se afirmem! Se conheçam! Não temam! Sejam quem vcs são!! E não importa quem sejamos. Eles nos pedem a integridade de sermos quem somos; ovelhas desgarradas, cordeirinhos, putas, loucos, não importa. Sejamos que somos.

Nesse ser e por essa ousadia haverá ataques. Não precisa lutar contra quem ataca. Nem criar defesas, muralhas. Foram as nossas muralhas que os fortaleceram. Precisamos apenas insistir em sermos quem somos. Ninguém pode resistir a isso. Ninguém pode deter isso. Essa força elimina qualquer ataque. O nascer do sol dissipa qualquer nevoa, ilumina a escuridão. E não há combate, luta no Sol nascer, apenas uma afirmação de ser quem ele é. Ele não pode não ser. E sendo, ele ilumina, aclara, expande, dissipa, seca, dá calor.


Então os grupos que pararam suas atividades de luz, retornem. O mal que lhe acomete, a dor que vc sente, o desanimo que lhe recai é a única forma que eles têm de tentar deter o inevitável. Eles não podem. Mas, se constroem muralhas, se aprendem mecanismos psíquicos e espirituais de defesa energética, se combatem, se guerreiam, nós os alimentamos e é disso que eles vivem. Eles conseguem construir tapumes que buscam impedir as pessoas de verem o sol, seguirem em direção à luz.



Um amigo conta, numa obra que estamos produzindo- INTOXICAÇÃO PLANETÁRIA, que a única forma que eles tem para nos deter é criar mecanismos de prisão e abafamento. Criarem censuras. Gabriel Garcia Lorca escreveu a Casa de Bernada Alba e a utilizo para pensar esse lugar escuro, sombrio, no qual o luto se transforma uma fonte prazerosa de ser. Do luto se faz e se estabelece vínculos e relações altamente perniciosas, tóxicas, na qual o amor, o amar vai virando doença.  

O que alguns grupos fazem com a Terra é muito parecido. Transformaram o planeta numa casa de Bernarda Alba. Lutam com todas as forças e com muito empenho para que a luz não entre, não chegue. Buscam até formas de criar e controlar luzes que não iluminam, ou só acende onde é necessário. Luzes direcionadas como lanternas, ou ovelhas saltitantes. Esses seres vivem do cheiro da morte, tudo entre eles é dor e ranger de dentes, até quando tentam rir são tristes e miseráveis. São dirigentes religiosos, tem uma forma muito própria de matar a vida, disseca-la e depois ritualiza-la, como fizeram com o crucificado. Aprenderam a crucificar toda forma de vida e criar rituais depois, que ovelhas e cardumes consomem como se vida fosse. Assim, aquele luto eterno, aquela caverna degradante é a forma que eles têm de nos fazerem identificados com o que eles desejam. Um mundo ilusório, limitado, sombrio, Temeroso. 

Alguns de vocês são atacados, porque envolta de vocês acontecem fenômenos inesperados, surpreendentes. Clarões de luz brotam dos vossos pés e pessoas são curadas. Clarões de luz surgem dos tetos e por essas fendas milagres ocorrem. Nesse mundo trevoso, toda luz é um milagre, porque a escuridão é muita. Uma hora eles descobrem que são vocês que produzem essa beleza, que criam essa leveza e então eles vos atacam. Eles não têm forças, eles não podem fazer nada, a menos que se escondam debaixo da cama, debaixo da saia de vossas mães. A menos que entrem em lugares mais escuros para aprender a se defender dessas forças. A menos que temam a própria luz e leveza que portam, não podem fazer nada contra vós.
  


Mas, fazem. Vocês estão deprimidos, com síndromes, fobias. Choram a noite, temem o escuro. Desejam e rezam para voltar para casa. Não há mais casa. Sua casa precisa ser construída e ela não pode ser feita com você debaixo da cama. Então, levanta, canta, dança, escreve, pinta, beija, transa, pira a gente com a beleza do seu mundo. Encontra outros como vocês e não fica com medo do telhado sair voando depois de uma forte ventania. Estamos aqui para vos amparar. Queríamos estar melhor preparados, mas estamos em nossas salas, em nossos consultórios. Não! Não estamos afirmando caminhos únicos, alternativas extremas. Estamos no processo de caminhada, talvez sem tanto receio. Talvez ciente de que não podemos nos negar, nem nos falsificar. Talvez ciente de que não temos ninguém para odiar, alguns até nem para lutar. Só queremos ser. Somos e essa força do universo é sagrada. Ninguém pode interferir nessa escolha. E, pouquíssimos interferem depois que assumimos essa RESPONSABILIDADE: ser quem somos!!

Não deveria ser tão difícil
Não deveria ser tão complexo e sinistro. Sermos e deixarmos ser.



Nosso trabalho é sermos quem somos e aceitar em cada grupo, o ser do outro. Receber o ser sagrado do outro e coabitarmos o mesmo espaço. E junto transformarmos nossas pequenas ações e são pequenas, minúsculas mesmo, em um momento sagrado no qual somos e nos rendemos a tudo que é! 

Não há nada a temer. Os adversários vão chamar para a briga e é isso o que eles podem fazer. Nós caminharemos para a luz, carregando nossas sombras. Vamos agradecer e sermos quem somos. Não há outro movimento senão: levanta-te e anda.  



Nesse despertar toda a transmutação é realizada. É o que chamamos de milagres. As realize com seus orixás, com seus anjos da guarda, com seus mestres Ascensos, com seus amparadores, com Buda, com Krishina, com Jesus, com Maria, com seus antepassados. Não importa o nome. Vá com a luz que te proporciona nas-SER. Ser aquele que tu és.

Vai realizar seu trabalho de ser mais um responsável no despertar de todos nós. Deixa seu medo ser dissipado pela luz do sol. Hoje já é um novo agora.



domingo, 15 de julho de 2018

ROSAS DO INFINITO



Essa é uma postagem rápida apenas para acalentar duas pessoas que desejaram estar conosco, nos enviaram alguns materiais, mantiveram-se conectadas, mas não puderam estar presentes. Beijo na alma!


Rosas do Infinito é como denominei um conjunto de seres. Eram mulheres/seres no formato de rosas. Elas eram rosas e as rosas eram e são elas. Um espectro físico da consciência delas formando roseirais imensos, lindos, perfumados. Prometo especificar mais tarde, agora é mesmo só acalentar um pouco o coração delas. 

Ontem 14/07/2018 fizemos uma reunião com elas e convidamos muitas pessoas para estarem presentes a esse momento. Quatro compareceram e ajudaram enormemente a compreender o fluxo, o uso, o sentido dessa energia.



Antes das 18 horas muita conversa, interação, bate papo, abraço de congratulações, felicitações, saudades. Depois das 18:00 o inicio de um silêncio que foi se aproximando, se aprofundando. Naturalmente, a conversa parou, as posições do corpo foram se alterando, a respiração modificando e o silêncio nos envolvendo. Um centramento foi sendo realizado e cada uma das presentes foi se sintonizando. Esse 1º momento perdurou por volta de vinte e cinco minutos.

Foi quando ‘cortei’ o clima passando algumas orientações, explicando o sentido desse encontro e o mais importante: você associa o feminino a que?

Basicamente, aqui iniciou o segundo momento, com um novo silêncio, mas agora diferente do inicial.

O primeiro silencio foi um enraizamento, um entrelaçamento. O segundo momento foi de subida dessa energia.

No primeiro momento elas nos ensinaram que há momentos tristes, pesados, dolorosos, amargurantes, solitários. Há momentos densos, cuja classificação psiquiátrica é depressão. Porém os místicos chamam de NOITE ESCURA DA ALMA. Um não exclui o outro. 

Um processo similar a quando a semente é lançada no solo. Está ‘sozinha’, abafada, imóvel. É mesmo a sensação de morte, facilmente identificado como dor e sofrimento. Abafamento, confinamento, perda de movimento, falta de sentido. Um incomodo perturbador. 

Nesses momentos o ideal seria silenciar-se, entrar em contato com esse momento, mas fazemos o inverso: nós desejamos nos movimentar externamente o que resulta na ampliação da insatisfação, do vazio, da dor. Nesse momento as pessoas querem correr, sair para beijar na boca, começam a comer doce sem parar, a comprar de maneira desesperada. A boca do vazio começa a dar dentadas no mundo, mas nada tem sabor, paladar, sentido.

Elas nos ensinaram calma. Similar a quando estamos no útero e vamos crescendo. Aquele lugar ainda que perfeito torna-se um incomodo para o feto e a mãe. O feto deve buscar o encaixe para nascer. Esse encaixe significa uma privação ainda maior dos movimentos, porém a hora está próxima. Com os momentos de angústia, tristeza é similar, com a diferença que fugimos dessa posição, desse lugar. Fugimos dessa sensação de retorno ao útero, ao silêncio que precisamos fazer para nascermos. 


No silêncio que elas foram fazendo, os medos, as angustias, as dores, as revoltas, as vinganças, as amarguras foram enraizando. Não era um enraizamento solitário, unitário. Eu só pude começar a 2ª fase, o 2º momento depois das energias delas terem alcançado uma interação, uma associação. Quando, basicamente, por debaixo dos pés delas houve um emaranhado de energia que se unificaram.

Foi essa unificação que permitiu explicar a fase anterior e o mais importante, pedir a elas que criassem a imagem a que associavam o feminino.

No 3º momento ensinamos como fazer uso dessas imagens para alterar padrões internos, momentos de travamento do agora, de qualquer ontem e conseguir vibrar novos futuros.

Esse foi um ponto interessante, o único no qual pude estar mais eu, porque ia falar da energia masculina, ou melhor, eu iria poder passar a minha energia na frente. Isso é uma das outras coisas que explorarei em outra oportunidade. 

É curioso como o feminino tem chaves, mas não abre portas. Há uma crença muito forte de que as portas são abertas pelo masculino. Isso um pouco mais incompreendido acaba perpetuando a imagem de donzelas presas na masmorra esperando o príncipe encantado salvá-las. A questão é que as chaves estão com elas e homens são peritos em fazer uso da força feminina (na figura das mulheres) para conquistar, se empoderar. Por vezes, na mesma proporção que algumas mulheres ficam encantadas, deslumbradas, com seus parceiros. É uma servidão voluntária.

Longe de apontarmos para o machismo, ou um feminino revoltado, descompensado, o que acaba gerando um tônus igualmente yang, acreditamos na integração; o Tao. O equilíbrio entre essas duas forças dinâmicas.

Isto para dizer que a partir dessa energia, elas poderiam curar, suavizar feridas, embelezar e abrir potenciais com a energia delas, nelas. Esse é um uso coletivo que me fez compreender o que são e como trabalham as Rosas do Infinito e como isso pode ser realizado aqui e está sendo, diga-se de passagem por muitos grupos. Alguns com um tônus separatista. Acreditamos que o ideal a ser potencializado é trazermos as coisas para a integração. 


Finalmente, após terem utilizado essa energia para desembolar aspectos, momentos na vida delas. Fazendo uso dessa imagem do feminino para voltar a momentos que reputa importante, criar outros que julgam necessários para elas destravarem, curarem as pessoas necessitadas na vida delas.



Nesse momento, a ativação das rosas trás a força para nós cristãos de Maria, mas a presença de Oxun esteve o tempo todo, como que conduzindo os fluxos de energia. Com Maria sempre vem as pétalas de rosas e elas foram lançadas sobre todos os presentes.











É o básico. Os detalhes postarei no canal do youtube: Fiholosofia a casa do autoconhecimento daqui a alguns meses. Por lá há alguns outros videos das reuniões anteriores. 

Esse encontro, assim como todos os outros pediu uma reunião especial, mas com a regência das mulheres. Nós homens apenas na sustentação da energia, como ficou um amigo. 

Outro aspecto muito interessante cuja compreensão só me veio ao termino da reunião é que essa é uma força coletiva. 
Ou seja, os passos aqui podem ser seguidos, devem ser, por isso a urgência em postar, mas os efeitos, o sentido é ampliado em conjunto. 

O isolamento feminino não faz bem e o encontro não pode ser apenas para curtição. Há necessidade de em algum momento invocar o silêncio, de enraizar e entrelaçar as raízes unindo forças, limpando dores, que não são verbais, mas a maioria sente.

.

  

 Bj em todos!